Views: 262

Written by:

Quais as vantagens do diálogo direto entre professores e pais?

Se sua escola já deu passo adiante e se rendeu à tecnologia, provavelmente devem existir formas modernas de comunicação entre família e escola. Para muitas instituições de ensino, o diálogo feito por meio de aplicativos tem sido aceito como consequência natural dos avanços tecnológicos.

Para os que possuem o ClassApp em seu cotidiano, novas questões passam a ser levantadas, tais como os canais mais eficazes, os responsáveis pela comunicação com as famílias, bem como sobre o que é mais efetivo em assuntos pedagógicos ou administrativos. Mesmo assim, alguns receios são enfrentados pelos diretores e coordenadores na utilização do aplicativo.

Em um dos encontros do Ciclo “Experiências de Sucesso”, a ClassApp trouxe importantes depoimentos sobre liberar o contato direto entre professores e famílias, um dos grandes paradigmas que costumam ser construídos no início da implantação do aplicativo. Para explanar ainda mais o tema, o Blog ClassApp traz para você o desdobramento do assunto.

 

 

Assista o webinar promovido pela ClassApp!

O paradigma da comunicação entre pais e professores, sem dúvidas, é um dos temas mais importantes para se discutir entre as escolas. Kelli Faber e Karen Faber, Fundadoras e Diretoras do Colégio Da Vinci, participaram do nosso bate-papo a fim de desmistificar alguns pontos e mostrar como essa comunicação mais próxima se torna fundamental dentro da instituição.

 

 

 

Desafio inicial

No Colégio Da Vinci, uma das irmãs que fundaram a instituição, Karen Faber, atualmente diretora, contou que na época em que decidiu adotar o aplicativo havia ainda a utilização da agenda de papel. Os primeiros desafios surgiram logo quando informaram aos coordenadores sobre  a nova forma de comunicação.

Todo mundo ficou em choque e foi aquele susto! ‘Elas ficaram malucas?’, eles deviam pensar”, comentou a diretora sobre a ocasião. O convencimento aconteceu gradualmente, primeiro com as coordenadores e, posteriormente, com os professores. “Hoje todos usam”, disse Karen.

Para a irmã e sócia, Kelli Faber, ainda havia hábitos que foram trabalhados, detalhes que poderiam ser simples, mas que causavam certa resistência. “Nós que somos professores, a gente gosta de papel”, afirmou de modo descontraído sobre a migração da agenda de papel para o meio digital.

 

Acesso direto aos professores?

Muitos colégios vivem o dilema de liberar o acesso ou não aos professores, para que tenham autonomia para falar diretamente com os pais e alunos. por meio do ClassApp. As diretoras do Colégio Da Vinci retomam a discussão dizendo ser preciso, primeiramente, pensar que o primeiro contato sempre foi o professor, mesmo com a agenda de papel.

Por isso elas comentam que deve existir confiança, não apenas no envio de mensagens. Se você não confia de liberar um acesso de uma conversa entre um pai e um professor, você como diretor de escola confia então desse professor ficar numa classe sozinho com os alunos?, argumenta Karen.

Na Educação Infantil, com professores que trabalham com os alunos mais novos, a questão é ainda mais delicada. “Se eu não confio em ele conversar com um pai, quem dirá deixar ele sozinho. Então, eu acho que essa relação de confiança deve existir. Com uma supervisão, claro, com moderação, mas ela deve existir”, ressalta a diretora.

 

Relação de confiança mútua

Na escola Villa dos Idiomas, o diálogo dos professores com as famílias também é liberado. Conforme a diretora administrativa, Celia Sousa Fernandes, foi o mesmo argumento que motivou a unidade a facilitar essa comunicação, pois entende que precisa existir esse canal direto entre professor e responsável.

Não há ninguém melhor para responder sobre o aluno que o próprio professor, pontuou a diretora. Para ela, quando o quadro de funcionários é capacitado e recebe a formação adequada, naturalmente, a confiança passa a ser construída, sendo preciso que a equipe perceba que a direção e coordenação confia integralmente nas ações realizadas.

Apesar de no início ter havido receio, Celia comentou que a direção e coordenação compreendeu que a descentralização seria importante, sendo as principais vantagens a solução de problemas, de maneira rápida e eficaz.

 

Diálogo ágil e eficaz

Na ocasião do Webinar, Kelli comentou que não é qualquer assunto que deve ser tratado via aplicativo ou qualquer outro meio, mas temas pertinentes ao ambiente acadêmico. Existe a liberdade para envio de mensagens, de professor para pai e vice-versa. “A respeito do aluno ou do desenvolvimento da turma, ou um recado de reunião”, exemplifica.

Mas a orientação é de que isso seja feito em horário de trabalho, mas “claro que nós sabemos que existem pais que vão escrever o bilhete, o recadinho no ClassApp, à noite, a hora que o filho dormiu, pôs a criança pra dormir, meia noite”, diz. No entanto, não significa que o professor precisa responder no mesmo horário.

Nos casos em que há essa comunicação em turno contrário ao horário de trabalho, isso deve ser visto como gentileza e não como obrigação. “A obrigação é responder no horário de trabalho. E aí o pai não pode cobrar que o professor responder um recadinho às 9 horas da noite”, argumenta a diretora.

 

Comunicação interativa e direcionada

Para algumas famílias, a necessidade de acompanhar mais de perto a vida dos filhos é ainda mais latente. “Porque tem aqueles assuntos mais pontuais, como ‘ele comeu?’, ‘ele está bem?’, ‘ele está com febre?’. Tudo isso é respondido muito mais rapidamente”, comenta Karen a respeito da aproximação.

Ela relata que muitos pais têm se sentido mais seguros, por conseguirem falar diretamente com o professor, quando é necessário, mas principalmente pela possibilidade se dirigir aos coordenadores e enfermeiras. Diferentemente da agenda de papel, em que os recados eram recebidos primeiramente pelo professor e só depois era direcionado aos departamentos.

Se ele (pai) tivesse pedindo para falar com a coordenadora, ou diretora, o professor já ia passar: ‘meu Deus, o que eu fiz de errado?’. E agora o pai consegue ter acesso rápido, direto à direção, à coordenação”, detalha a diretora ao dizer que a nova forma trouxe mais tranquilidade para o pai e até mesmo para os profissionais da escola.

 

Sem angústias no diálogo

Se ainda assim existem receios, a orientação é de que haja acompanhamento por alguns meses, até que a coordenação e direção se sinta segura para deixar os professores responsáveis por enviar as mensagens de maneira autônoma.

É uma coisa natural. É importantíssimo liberar. Eu não consigo imaginar o nosso funcionamento do ClassApp sem os professores. Vai sobrecarregar a coordenação a direção”, ressalta ao abordar tais questões.

No caso do Colégio Da Vinci, os professores costumam encaminhar as mensagens à direção para ter mais informações sobre as ações que devem ser tomadas, inclusive sobre possíveis retornos. Para as diretoras, o auxílio dos professores é essencial para o bom andamento do colégio.

Em sua instituição, você já passou por episódios parecidos? Você já liberou o contato direto dos professores com as famílias? Deixe seu relato e compartilhe conosco sua experiência! 😁

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *