2 min de leitura

A Universidade de São Paulo (USP) teve 11 cursos eleitos entre os 50 melhores do mundo, de acordo com o novo ranking da QS World University Ranking by Subject, um dos principais de avaliação do ensino superior do mundo. O levantamento analisou mais de 1,5 mil instituições de 88 países. Ao todo, 44 áreas da universidade paulista foram classificadas entre as 51 analisadas pelo ranking.

Dentre as áreas específicas, a USP entrou para o top 50 em Odontologia (15.ª posição); Engenharia de Minérios e Minas (31.ª); Engenharia do Petróleo (32.ª); Geografia (38.ª); Línguas Modernas (41.ª); Ciência Veterinária (41.ª); Antropologia (42.ª); Arquitetura (44.ª); Agricultura e Silvicultura (48.ª); Ciências do Esporte (49.ª), sendo a única brasileira a figurar nesta lista; e Sociologia (49.ª).

Em outras 25 áreas específicas, a USP ficou entre a 51.ª e a 100.ª posição; em cinco áreas, entre as 150 melhores; e, em três áreas, entre as 200 melhores. “A edição deste ano do QS World University Rankings por Disciplina fornece algumas notícias positivas para o setor de ensino superior brasileiro: sua principal universidade, a USP, continua a afirmar seu status como potência de pesquisa no continente”, afirmou Ben Sowter, vice-presidente sênior da QS.

Entre os critérios considerados pelo QS para a classificação dos cursos estão a reputação acadêmica e entre empregadores, número de citações em artigos científicos, as redes de cooperação internacional, entre outros. O ranking da QS é liderado pelo Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT, na sigla em inglês), seguido por Oxford (Reino Unido), em 2.º, Stanford (EUA) e Cambridge (Reino Unido) empatadas em 3.º e Harvard (EUA) em 5.º.

Na lista geral de universidades, a USP ficou na 121.ª posição. A colocação é a mesma do ano passado e a melhor entre as brasileiras. Outras quatro instituições públicas aparecem no top 500 da lista: a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em 219.º; a Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em 369.º; a Federal de São Paulo (Unifesp), em 434.º; e a Universidade Estadual Paulista (Unesp), em 492.º.
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Redação, O Estado de S. Paulo

Comentários