Views: 8562

Written by:

Mensalidades atrasadas: como as escolas podem cobrar dos pais?4 min de leitura

Os investimentos necessários para manter ensino e infraestrutura de qualidade não são baixos. Desenvolvimento de metodologia, professores qualificados, salas agradáveis, materiais didáticos e tantas iniciativas requerem grande compromisso financeiro.

Além disso, mantenedores e gestores de escolas particulares precisam lidar com outra realidade: a do percentual de inadimplência.

Cobrar mensalidade atrasada de um aluno pode se tornar uma situação embaraçosa, se não for feita com cuidado. Patricia Peck Pinheiro, advogada especialista em Direito Digital, que presta assessoria jurídica para diversos colégios do país comenta o assunto.

“Para a escola, é sempre importante ter o administrativo preparado para esse tipo de negociação, especialmente em épocas de crise. Pois a relação escolar não é uma relação de curto prazo, é uma relação de longo prazo”, afirma.

No entanto, existem formas de resolver situações de inadimplência de maneira respeitosa e eficiente, evitando exposição e constrangimento do aluno. Para saber quais são elas, confira nosso post!

 

1. Não constranger o aluno para cobrar mensalidade atrasada

Na lei 9.870 consta que o aluno não pode sofrer nenhum tipo de constrangimento para que o pagamento seja efetuado. Algumas práticas são proibidas, como reter documentos, impedir o aluno de fazer provas ou outras penalidades.

Medidas legais podem ser tomadas em casos extremos, como medidas judiciais para exigir a cobrança e não renovação da matrícula.

“Mas a via judicial não tem nenhuma abordagem psicológica. Ou seja, não tem nenhum tratamento a respeito de traumas que a família ou o jovem pode passar em uma transferência escolar”, alerta a advogada.

Sendo assim, é interessante estabelecer um protocolo de cobrança que evite envolver o aluno na negociação. Deve-se deixar a responsabilidade para os pais ou responsáveis legais. Dessa maneira, o desempenho acadêmico e o relacionamento com os colegas não ficarão comprometidos.

“Se o aluno estiver familiarizado com o ambiente e os professores, tenha laços de amizade, a transferência é mais difícil e traumática. Especialmente durante o andamento do ano letivo”, diz.

 

2. Negociar de forma sutil

Uma abordagem agressiva para fazer cobrança de mensalidade atrasada só vai deixar a negociação mais estressante, com pais na defensiva. Normalmente, a inadimplência acontece porque a família está passando por dificuldades ou momentos delicados.

Por isso, utilize-se de abordagens sutis, empáticas e respeitosas na hora de cobrar. Isso demonstra que a escola está realmente preocupada com o bem-estar de todos, não apenas com o lucro.

A escola tem um orçamento alto e que o valor da mensalidade serve para manter a qualidade do ensino e da infraestrutura.

“Você tem pessoas que ficam até dez anos na mesma instituição de ensino. Quanto mais tempo ela fica, menor a predisposição dela sair. É muito melhor renegociar, fazendo um acordo plausível, deixando de cobrar juros ou multas, do que a perder aquele aluno”, recomenda Patrícia.

É preciso, como em toda negociação, ouvir o outro lado e expor a realidade da escola. “Sempre a melhor prática é propor um acordo plausível e coerente de cumprimento para ambas as partes”, recomenda.

 

Qual o segredo dos colégios que estão próximos de zerar seus índices de inadimplência?

 

3. Manter boa comunicação com os pais

Uma das práticas que ajuda a evitar mensalidade atrasada é manter sempre boa comunicação com os pais. Muitas vezes, enviar lembretes com as datas de vencimento pode abrir um canal de comunicação interessante.

Encaminhar as benfeitorias da escola para conhecimento da família também ajuda a valorizar o trabalho da equipe e dos gestores.

Outra forma bastante interessante é usar a tecnologia para conservar um canal constante de comunicação com os pais. Essa facilidade permite que dúvidas sejam tiradas e avisos sejam enviados, estimulando um relacionamento de confiança entre as partes.

 

Como a escola pode explorar a eficiência de cada meio de comunicação?

Veja também que a escola pode usar a reunião de pais para melhorar esse relacionamento.

 

Cobrar mensalidade atrasada é uma das grandes dificuldades em âmbito escolar. A cobrança e a negociação são inevitáveis e necessárias. No entanto, existem maneiras de fazê-la de maneira respeitosa, sem constranger ou prejudicar o aluno.

E então, tem outra dica de como realizar cobrança de mensalidade atrasada? Como esse processo é feito na sua escola? Deixe seu comentário!

Comentários

19 Responses to :
Mensalidades atrasadas: como as escolas podem cobrar dos pais?4 min de leitura

  1. silvana Marina disse:

    Realmente só através de um bom diálogo para fazermos um bom negócio e ficarmo tds na paz.

  2. AMARILIO GONÇALVES CANUTO disse:

    No meu entender o grande problema é a legislação. No Brasil vale, muito, a pena ser inadimplente. O processo de cobrança é lento e burocratico. Em suma, paga quem quer. Se uma Familia deixar de pagar a conta de energia e de agua, estes serviços podem ser cortados. Já a Escola privada não tem este direito. Os pais que querem que a criança estude em uma escola privada tem que ter a ciencia de que Escola particular é para quem pode e quer pagar por um serviço diferenciado. Se não puder nem quiser ele tem a opção da Escola pública. Simples assim.

  3. Ana Gelli disse:

    Muito interessante gostei das dicas, algo inovador sempre é bom para abrir a mente. Muitas vezes estamos tão assoberbadas com a rotina do dia a dia que nem sempre esse tipo de contato com os pais sai como esperamos.

  4. VITAL MANOEL BEZERRA disse:

    LIDO COM ESCOLA PARTICULAR DESDE 1980 E AFIRMO VEEMENTEMENTE QUE QUANDO A PAI DO ALUNO É CALOTEIRO DE VERDADE, NÃO PAGA A ESCOLA DE FORMA ALGUMA. PASSA DOIS OU TRÊS ANOS NUMA ESCOLA, DEPOIS MUDA PRA OUTRA, E VAI MUDANDO ATÉ O(S) FILHO(S) TERMINAR(EM) O(S) ESTUDO(S). AQUI NA MINHA ESCOLA JÁ ACONTECEU VÁRIAS VEZES E EM UM DOS CASOS TENTEI COBRAR JUDICIALMENTE E QUEBREI A CARA, O SUJEITO AINDA ME AMEAÇOU. ENQUANTO NÃO SE TORNAR LEI, SEM A COBRANÇA JUDICIAL, A ESCOLA ESTARÁ FADADA AO FRACASSO. QUEM DISSER O CONTRÁRIO NÃO SABE DO QUE ESTÁ FALANDO, TÁ QUERENDO ENGANAR OS DONOS DE ESCOLAS. PRA DERRUBAR QUALQUER TENTATIVA DE ACORDO OU COBRANÇA JUDICIAL NOS DIAS DE HOJE, BASTA OS PAIS TER UM BOM ADVOGADO PRA DETONAR A ESCOLA.

    1. Daniella Moreira disse:

      Concordo plenamente com vc! Parabéns por sua fala. Pena q o Sindicato das Escolas Particulares não fazem nada!

    2. marcia disse:

      Concordo! Plenamente!

      1. Blogclassappbr disse:

        Que ótimo que esse conteúdo foi útil para você. Essa é a nossa missão. Um abraço e siga nos acompanhando

  5. Vahid disse:

    Usar o aluno para mandar um lembrete de pagamento ao pai pode virar um tiro pela culatra pois a família pode sempre afirmar que o filho não sabia da dificuldade financeira ou que ele foi constrangido pelos colegas. Me lembro na minha escola que quando alguém era retirado de sala pelo inspetor do corredor os alunos brincavam… “caloteiro…. não pagou a escola!!” e raramente era o caso… mas imagine se fosse que risco jurídico não traria para escola! Por outro lado o email raramente é uma boa forma de realizar esses lembretes de pagamento pois o pai pode afirmar não ter recebido e como ele sabe que a escola está “cega” sem saber se de fato ele leu o lembrete, o pai ignora o lembrete muitas vezes. O que estamos ajudando muitas escolas é implementar um sistema de comunicação que protocola automaticamente todas as comunicações de forma que o pai não possa afirmar que não leu o recado. pois o sistema registra a leitura de acordo com o que o marco civil da internet reza. Estamos sempre tentando formas criativas de melhorar. Nós acreditamos que diminuir a inadimplência é essencial para garantir uma escola particular de qualidade! http://www.classapp.com.br

  6. Sávio disse:

    Infelizmente o que há no Brasil é muita gente caloteira, que quer ter os filhos estudando em escolas particulares e depois saem sem pagar. A começar dos que aprovaram essa Lei do calote sob alegação de não causar constrangimento ao aluno. Então o dono de escola particular é quem tem que bancar filho de caloteiro para não constranger o bichinho é? Só mesmo no Brasil, onde o governo é o maior ladão do país é que um negócio desse tem validade.

  7. Selma Chagas disse:

    O Brasil é um país de hipócritas, quanto mais safado e espertinho, mas direitos tem.
    é só olhar bem o caso dos políticos.
    Fazer atendimento de qualidade, sem apoio e recursos.
    É só para INGLÊS vê.
    Não só as escolas privadas sofrem, como também as ONGs.
    Meio termo – duas medidas.
    Cobrar e fiscalizar, penalizar, quem trabalha.
    Não compensa ser honesto.

  8. Carmem Célia Mendes disse:

    Carmem
    Estudar um filho na escola privada e pagar se quiser é igual jabuticaba: Só tem no Brasil.
    Estou perdendo a esperança no meu país que se diz abençoado por Deus e bonito por natureza. Vejo o meu país se afundando numa crise que não é de crédito e sim de credibilidade.
    Um país que se faz de tudo a qualquer custo é trágico e perigoso. Lamento…

  9. Daniella Moreira disse:

    Triste a realidade das escolas particulares que vêem os CALOTEIROS indo embora no fim do ano e não voltam pra pagar as dívidas. Trabalho há quase 20 anos em escola particular e vejo isso acontecer sempre. Problemas todos têm, mas quem é honesto paga direitinho e se algum imprevisto acontece se justifica e depois faz de tudo pra ficar em dia. Brasil, país que não ajuda quem empreende e gera empregos, sem lei pra garantir os direitos dos donos de escolas. Lamentável!

  10. Vanea Martins disse:

    No Brasil, a realidade das escolas privadas é triste. Os pais humildes pagam sempre em diase os caloteiros aproveitam as leis vagabundas desse país para ostentar as custas dos outros. Ainda hj não conheço nenhuma forma de receber mensalidades atrasadas e acredito que enquanto não criarem alguma lei para proteger as escolas privadas, vai piorar cada vez mais.

  11. Maria do socorro disse:

    Infelizmente no Brasil a realidade das escolas particulares e triste enquanto não houver uma lei que proteja as escolas particulares vamos caminhando para trás. Entregar transferência ao aluno devedor é triste.

  12. ADRIANA Freitas disse:

    Olá. Li os comentários concordo com todos. Na minha escola eu sinceramente, amarro para dar a transferência só dou na justiça e tento negociar de várias formas e aciono o cartório de protesto. Vem ne ajudando muito. Uma hora eles precisam de alguma documentação e uma vez em protesto é muito difícil não pagar.
    Teve um caso que uma mãe levou a escola para justiça mesmo depois que entregamos a documentação histórica, porém o nome dela estava em protesto ela precisava abrir uma conta e pediu ao Juiz a anulação do protesto. O Juiz não autorizou e fez ela pagar judicialmente e na falta do comprimento busca e apreenção de bens.
    Fica a dica. Um abraço

  13. carol disse:

    Parabens Pelo seu Artigo muito bom Gostei

    1. Blogclassappbr disse:

      Que bom que esse conteúdo foi útil para você. Essa é a nossa missão. Um abraço e siga nos acompanhando

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *