6 min de leitura

Apesar de muitos pais se desesperarem com o tempo gasto por seus filhos diante de telas de computadores e smartphones, a tecnologia é uma grande aliada da educação, inclusive para a primeira etapa da Educação Básica, que vai dos 0 aos 5 anos. O ensino infantil digital já é uma realidade e o pulo do gato é saber usar as ferramentas a favor do desenvolvimento integral das crianças e não deixar que elas sejam espectadoras passivas de atividades que se passam – sem conhecimento dos responsáveis – em uma tela.

Por que usar metodologias ativas ligadas ao ensino infantil digital?  

Não há como deixar de lado o uso de tecnologia na primeira etapa da educação básica, uma vez que mesmo antes de ler e escrever, as crianças vivem conectadas ao mundo digital.

Sem falar que os últimos dois anos foram de ensino remoto e híbrido ou de homeschooling para esses pequenos por causa da pandemia e a tecnologia, certamente, ocupou um papel importantíssimo na casa dos alunos, mesmo os mais novos. 

Na educação infantil, a tecnologia vem ajudando professores a desenvolverem metodologias ativas que resultam em aulas mais dinâmicas e atraentes, estimulando assim o engajamento de seus alunos. Recursos digitais vêm mostrando que conseguem uma maior interação entre as crianças e o conteúdo, facilitando a internalização do conhecimento. 

Ainda vale ressaltar que com ajuda da tecnologia, professores conseguem estimular nas crianças pequenas seu protagonismo no processo de aprendizagem, conseguem fazer com que elas exerçam sua criatividade, desenvolvam raciocínio lógico e capacidade para resolver problemas desde cedo, habilidades-chaves segundo a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

De fato, não há como preparar um aluno para que ele se torne um adulto de sucesso em sua vida pessoal, social e profissional sem pensar em tecnologia. O mundo é dominado cada vez mais pelo digital. “É preciso transformar tecnologia e inovação em disciplina escolar, assim como matemática. Numa sociedade digital, a tecnologia não é mais ou menos importante do que as disciplinas tradicionais”, diz Cristian Torres, diretor da edtech Tech4me, uma startup que nasceu dentro da gigante Alterdata para ser um centro de educação em tecnologia e educação para todas as idades. 

Mas existem algumas pedras no meio do caminho do ensino infantil digital

As tecnologias digitais ganharam destaque nas diretrizes da BNCC de forma geral, mas não na educação infantil. O termo “digital” não é mencionado nos textos sobre a educação de 0 a 5 anos e isso faz com que muitos gestores educacionais fiquem sem referências para construir modelos que usem o digital na educação infantil. 

Fora isso, a consultora para instituições de Educação Básica na área de inglês e diretora acadêmica da Seven Idiomas, Lucia Alves, atenta para o problema de paradigmas em relação ao uso de tecnologia na educação infantil. “A primeira é a crença de que crianças de 3 a 5 anos não têm atenção suficiente para uma atividade online” A Seven Idiomas tem mais de 30 anos de experiência no ensino de línguas e é autora de metodologias inovadoras.

Rompendo barreiras para a ensino infantil digital 

No entanto, a BNCC estabelece seis direitos de aprendizagem na educação infantil: conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se – todos indicando ações para que a criança aprenda a ter um papel ativo na sociedade e se sinta pronta para resolver problemas. Ações que podem ser bem estimuladas com ferramentas tecnológicas quando usadas da maneira correta e com muita atenção.

O engenheiro elétrico Diego Thuler é o fundador da Little Maker, uma startup criada para fazer com que a cultura maker do “Faça você mesmo” contribua para a modernização das escolas. Além de dar formação a professores, a empresa instrumentaliza as instituições com tecnologias e materiais de apoio, a partir do entendimento da realidade de cada escola.

Para Thuler, é fundamental que o aprendizado esteja conectado ao lado emocional do estudante: “Conectando o desenvolvimento da competência com envolvimento emocional você tem outro nível de aprendizagem. As crianças se conectam emocionalmente quando estão envolvidas em expressar suas ideias, dar voz a seus pensamentos. Essa conexão é um insumo muito importante para a gente usar na escola, transformar isso num processo de aprendizagem é muito potente.”

Segundo ele, a metodologia da Little Maker na educação infantil ainda é muito exploratória, sempre pautada na interação física e baseada dos sentidos. “As tecnologias que trazemos neste segmento entram como linguagem e ampliam estas explorações em um contexto mais híbrido de linguagens.”

O profissional completa dizendo que os recursos de recursos de tecnologia digital não precisam entrar somente em sala de aula e em interações virtuais entre alunos e professores da educação infantil, mas “em como documentar o processo, registrar as descobertas e avaliar as aprendizagens, que neste segmento em especial fica mais centrado na atuação do professor (ou familiares quando atuamos remotamente).”

10 dicas para aplicar metodologias ativas na educação infantil digital

  1. Veja as ferramentas digitais como facilitadores do aprendizado e não como inimigos. Crianças de menos de 5 anos cada vez mais têm convivência com o ambiente digital. 
  2. Faça atividades de curta duração. Aulas de 40 minutos devem ter intervalos, momentos de apresentação e momentos de atividade. De acordo com o Projeto Primeira Infância, vinculado ao Instituto ABCD, organização social que se dedica a melhorar a vida de brasileiros com dislexia, crianças de 3 anos tendem a se manter atentas em atividades dirigidas, que demandem atenção, por cerca de 20 minutos. 
  3. Use técnicas de entretenimento para deixar as aulas o mais lúdicas possível, como a utilização de aplicativos criados especificamente para educação infantil
  4. Use jogos para estimular o aprendizado de forma criativa. A gamificação estimula o desenvolvimento de competências socioemocionais, como pensamento crítico, curiosidade, capacidade de resolver problemas, … 
  5. Abuse da criatividade. Use imagens, cores, objetos concretos mesmo em aulas virtuais 
  6. Aposte em leitura online, inclusive de clássicos da literatura. Isso estimula o gosto pela leitura, tornando a experiência mais interessante e interativa.
  7. Exiba vídeos e filmes, uma vez que a linguagem audiovisual é tão atraente para as crianças, sempre se lembrando da importância de serem de curta duração para manter a concentração dos estudantes.
  8. Explore ações que envolvam música, estimulam a audição e a descoberta e reconhecimento de sons e ritmos
  9. Crie murais virtuais, como blogs, para que elas compartilhem suas histórias por meio de fotos, vídeos, textos
  10. Utilize ferramentas online para avaliar e compartilhar os resultados obtidos entre os envolvidos no processo, diretores, professores e pais.

Jogos e brincadeiras na educação infantil

Quer se aprofundar mais sobre a educação infantil? Confira esse artigo sobre jogos e brincadeiras na educação infantil, que atuam como aliados na recuperação da aprendizagem.

*Matéria atualizada em 25/05/2022, às 20:40pm

Comentários