3 min de leitura

Em São Paulo, algumas escolas particulares resolveram continuar com o ensino híbrido, mesmo com o retorno das aulas presenciais. Desde o dia 2 de agosto, todas as instituições de ensino privadas do estado estão autorizadas a retornar 100% com as atividades presenciais. 

Esse é o caso do Colégio Interação Itupeva (SP), que mesmo com a volta às aulas presenciais, resolveu manter o ensino híbrido após uma pesquisa realizada com os pais dos alunos. “As famílias receberam uma enquete sobre a opção desejada para o retorno e assinaram termos de responsabilidade para cada uma das modalidades: presencial ou remota. A parceria entre escola e família tem sido essencial para alcançarmos o sucesso nesse período tão complicado”, explica a diretora pedagógica Fernanda Lapenda.

A profissional, que é pedagoga, psicopedagoga e especialista em gestão escolar, acredita que essa modalidade de ensino não é passageira e que deve se tornar tendência na educação. “Pensando na qualidade da manutenção do vínculo entre alunos e professores, é a melhor forma de manter todos próximos – mesmo que distantes fisicamente. Separar turmas ou trocar professores nunca foi uma opção. Temos pensado muito na readaptação dos alunos maiores, que permaneceram no remoto por mais tempo, e planejando ações que reforcem o socioemocional e o acolhimento, sempre tão importantes para nós”, pontua.

E para conseguir dar continuação ao híbrido, simultaneamente ao ensino presencial, Fernanda conta que foi necessário investir em tecnologia e adaptar os espaços do colégio. “No início do ano cabeamos toda a escola e adquirimos um link dedicado para garantir internet de qualidade. Cada sala foi equipada com notebook e televisão, o que possibilita que a turma remota seja vista pelos alunos do presencial, dando uma sensação de união do grupo”, explica.

De acordo com a diretora, os professores também participaram de formações e capacitações para a apresentação das novas ferramentas. “Hoje eles podem conduzir as aulas em sala, acompanhando alunos remotos e presenciais, e a plataforma Google for Education nos dá o suporte para a comunicação e envio de atividades, avaliações e trabalhos. Depois de tanto tempo on-line e mergulhados em tecnologia, temos certeza de que nossos alunos não querem mais se distanciar de tudo o que aprenderam!”, reforça.

Outro exemplo de instituição que manteve a modalidade híbrida é a Maple Bear, rede de escolas bilíngue com metodologia canadense. As atividades presenciais foram retomadas no dia 2 de agosto e, ao mesmo tempo, foi mantido o modelo híbrido para as famílias que assim optarem. Atualmente, a rede possui cerca de 26 mil alunos em todo o Brasil e aproximadamente 159 escolas. 

“As escolas Maple Bear com maior área de construção receberão 100% dos alunos que desejarem retomar as aulas presenciais enquanto as demais continuarão com o revezamento de turmas”, traz a nota enviada pela assessoria de imprensa da rede.

Comentários