3 min de leitura

Respeito e justiça são as competências mais relevantes para o exercício da profissão de professor, revelou monitoramento inédito feito pelo Instituto Ayrton Senna com a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo (Seduc-SP) sobre competências socioemocionais com professores.

O mapeamento foi realizado com profissionais da rede estadual paulista em maio e junho do ano passado. A participação foi aberta a todos os educadores da rede, com preenchimento voluntário em formato online.

O monitoramento mostrou que 96% dos professores têm orgulho da profissão e que mais de 90% sentem-se animados por trabalhar com estudantes e felizes quando se conectam com eles. O levantamento também revelou que os educadores querem ajudar os estudantes a lidar com suas emoções e que gostariam de ter apoio para seu desenvolvimento socioemocional, especialmente no autocontrole emocional e na colaboração entre pares.

Para o vice-presidente de Expansão e Relações Institucionais do Instituto Ayrton Senna, Roberto Campos de Lima, a educação já tinha desafios muito importantes do ponto de vista da qualidade, quando veio o fechamento das escolas por causa da pandemia de covid-19.

“Com o período de escolas fechadas, obviamente, o impacto ficou maior, e uma das coisas que começaram a aparecer foi o desenvolvimento socioemocional do estudante. Mas, como discutir o desenvolvimento socioemocional do estudante sem discutir o desenvolvimento do próprio professor? Falamos com quase 43 mil professores e tivemos alguns achados megaimportantes. Por exemplo, a ideia de grande maioria sente orgulho da profissão, que é importante, já que o senso comum tem um entendimento distinto desse.”

A iniciativa traz um duplo ineditismo: é a primeira focada no entendimento do desenvolvimento socioemocional dos educadores brasileiros. E a coleta de dados foi feita a partir de um instrumento fundamentado em uma matriz específica das competências mais para a atuação dos professores, desenvolvida pelo Instituto Ayrton Senna.

Objetivo

O mapeamento revelou como os professores identificam suas próprias competências socioemocionais no âmbito escolar, com o objetivo de fortalecer o autoconhecimento e apoiar o desenvolvimento pleno dos profissionais da educação.

Mais de 95% concordaram que as 18 competências apresentadas pelo estudo são importantes ou extremamente importantes para as práticas do professor, e mais de 90% dos participantes disseram fazer o seu melhor para ajudar os estudantes a lidar com emoções, reconhecendo a relevância dessa dimensão no ambiente escolar, conforme previsto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Aplicado com base em uma metodologia de autorrelato e com participação voluntária, o mapeamento deu aos professores oportunidade de expressar suas necessidades enquanto profissionais. Quando questionados sobre quais competências em que mais gostariam de ter apoio da rede para desenvolver, quase 60% indicaram o autocontrole emocional (que ajuda a manter o equilíbrio para lidar com emoções negativas e desafios da rotina escolar).

Em segundo lugar, quase 50% dos educadores apontaram a colaboração entre pares (definida como habilidade para formar rede de apoio entre os próprios professores, disposição para interagir e aprender com as abordagens pedagógicas dos outros, por meio da troca de experiências). Em terceiro lugar, com quase 44%, o gerenciamento de estresse.

“O panorama para nós é importante, já que, ao longo desses quase 27 anos, o Instituto Ayrton Senna sempre atuou enxergando o professor como parte fundamental da equação para transformar a educação brasileira. Mas, para isso, é preciso trabalhar entendendo esse sonho e quais são seus desafios”, disse o vice-presidente da instituição.

Diante dos dados, o instituto vai apoiar o professor no desenvolvimento de tais habilidades. “Trabalhamos para que o professor consiga fazer um plano de desenvolvimento profissional específico dele, nada em atacado, absolutamente personalizado para o seu autodesenvolvimento. O instituto, cada vez mais, deve trabalhar no que fazemos ao longo de quase 27 anos. A partir dos territórios, por exemplo, passaremos a fazer agora intermediado por tecnologia, para acessar cada vez mais professores. Esse movimento de competências do professor, passará a ser feito conosco a partir da plataforma Humane (Centro de Formação de Educadores).

Comentários