3 min de leitura

Nove artigos científicos inéditos, que abordam temas como práticas pedagógicas antirracistas, feminismo negro, representatividade na literatura infantil e reprodução de racismo nas escolas, foram selecionados na primeira edição do Edital de Equidade Racial na Educação Básica. O objetivo dos pesquisadores era contribuir para uma educação com mais equidade para crianças, adolescentes e jovens negros. As pesquisas foram disponibilizadas no próprio site do edital

“A situação educacional de mais da metade da população brasileira, que é negra, é silenciada. Porém, a sociedade civil está viva, protagonizando ações que visam compreender melhor as situações de desigualdades que ocorrem pelo país. O edital é uma das estratégias para superar essa realidade e os artigos científicos são uma rica contribuição para o debate no campo da equidade educacional”, destaca a diretora-executiva do CEERT (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades), Cida Bento.

Entre os trabalhos selecionados está o artigo das pesquisadoras paulistas Louise Marinho e Milena Natividade da Cruz, que analisaram a criação de ações educativas voltadas para os jovens do Ensino Fundamental II, que mobilizam recursos iconográficos com base na perspectiva antirracista. 

“Nossa intenção era traçar um plano de ação para criar outro referencial visual antirracista que pudesse ser usado em sala de aula, que trouxesse outras concepções da história e que positivassem a imagem deles na autorrepresentação”, relata Milena.

Já o pesquisador doutor João Paulo da Conceição Alves analisou os indicadores de percepção dos alunos de uma escola da periferia de Macapá (AP). Ele demonstrou os fatores que contribuem para a formação de uma perspectiva fragilizada dos jovens da Amazônia Negra para a inserção no mercado de trabalho, tais como condições financeiras e estereótipos.

“As escolas de educação básica possuem papel fundamental neste processo de equidade social e racial, na aproximação junto à comunidade, no desenvolvimento de ações extensivas, como oficinas, ações sociais com foco na formação e profissionalização da população negra do Amapá”, afirma.

O professor Geimison Falcão de Lima analisou as práticas docentes e o desenvolvimento da disciplina de História e Cultura Afro-brasileira e Africana em uma escola localizada em um território Quilombola próximo aos municípios de Horizonte e Pacajus, no Ceará. “Meu objetivo foi evidenciar, identificar e entender como se dava o ensino desta disciplina junto à comunidade do entorno na qual a escola se encontra”, explicou.

Também estão contemplados na publicação os artigos: “Literatura negra feminista: uma proposta de enfrentamento ao sexismo e ao racismo epistemológico”, de Viviane Marinho Luiz;  “O Potencial de Práticas Decoloniais na formação docente”, de Priscila Elisabete da Silva; “Eu sô peta, tenho cacho, sô linda, ó”: o que dizem as crianças sobre a literatura infantil de temática da cultura africana e afro-brasileira”,  de Sara da Silva Pereira;  “A Potencialidade da Literatura como Prática Pedagógica Antirracista: um estudo de caso”, de Vinícius Oliveira Pereira; “A reprodução do racismo no contexto escolar: um relato de experiência”, de Nairana da Silva Lima do Rozario e “O Quilombismo na Literatura Africana e Afro-Brasileira: Uma perspectiva identitária na educação escolar”, de Nayane Larissa Vieira Pinheiro.

Edital

O Edital de Equidade Racial na Educação Básica é uma iniciativa do Itaú Social com realização do Ceert (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades), em parceria com o Instituto Unibanco, Fundação Tide Setubal e Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Comentários