2 min de leitura

O Brasil ainda conta com três mil escolas municipais sem água e outras 21 mil com acesso, mas de forma inadequada. O levantamento foi realizado pelo O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), com base em dados do Censo Escolar 2020. Diante disso, a entidade lança, nesta quinta-feira (23), a campanha #ÁguanasEscolas, voltada a arrecadar recursos para ampliar o acesso a água em escolas e, ainda, promove um webinário para discutir o tema.

“A falta de acesso adequado à água impacta diretamente crianças e adolescentes mais vulneráveis. Haver acesso a água de qualidade é fundamental para que meninas e meninos possam aprender, brincar e se desenvolver com saúde, além de garantir a dignidade menstrual de pessoas que menstruam. Felizmente, a grande maioria das escolas municipais, quase 80%, conta com acesso adequado à água. Mas ainda há 3 mil escolas (3%) sem água e outras 21 mil com acesso, mas não adequado”, explica a representante do UNICEF no Brasil, Florence Bauer.

Sabendo que os maiores desafios do acesso à água estão no Norte e no Nordeste, o UNICEF incluiu um resultado de água, saneamento e higiene no Selo UNICEF, iniciativa voltada a 2.023 municípios da Amazônia e do Semiárido. A partir deste ano, cada município se compromete a capacitar profissionais de educação, saúde, proteção social e saneamento básico para a implementação de programas de lavagem de mãos e acesso à água e saneamento nas escolas. Para contribuir com essa iniciativa, basta acessar o site e fazer a doação.

Webinário

Pensando ainda em aumentar o debate sobre os desafios e impactos da falta de acesso à agua nas escolas municipais, e discutir soluções sobre o tema, o UNICEF promove nesta quinta-feira (23), às 18h30, o webinário aberto ao público “Como o acesso à água, saneamento e higiene muda a vida de crianças e adolescentes?”. O evento ocorrerá pela plataforma Zoom, e para participar é necessário inscrever-se neste link.

Comentários