5 min de leitura

“Diagnóstico Nacional da Educação” (DNE): esse é o nome da iniciativa gratuita e independente que o Escolas Exponenciais criou para ajudar gestores de escolas a avaliar, antecipadamente, se vão sair mais fortes ou mais fracos da crise atual. 

A partir do resultado de uma pesquisa feita com diretores, professores e pais de alunos, as escolas vão poder comparar sua estratégia com a de outras instituições de ensino e saber como estão em comparação com a média nacional.

Não existe dúvida de que a migração do estudo presencial para o estudo remoto afetou o relacionamento de todas as escolas com as famílias, para melhor ou para pior.

Existem muitos casos onde, apesar de todas as dificuldades impostas pelo distanciamento social, houve maior engajamento e proximidade com as famílias, mas há também cenários onde os pais não estão tão satisfeitos com a forma como vem sendo realizado o ensino remoto e a comunicação escolar – e essa insatisfação represada pode ter um desdobramento negativo a médio prazo. 

E, justamente para ajudar as escolas a “medir essa temperaturaque o Escolas Exponenciais lançou o Diagnóstico Nacional da Educação.

“É natural que a satisfação dos pais nesse momento, na maioria das escolas, seja inferior à satisfação deles com o serviço que era realizado presencialmente. Porque para aquele serviço existia todo um longo preparo, existia toda uma organização. Já para esse período agora as escolas tiveram que se adaptar rapidamente ao ensino a distância. Essa pandemia foi como uma prova surpresa para muitas escolas e o Diagnóstico Nacional da Educação vai mostrar com essas escolas se saíram nessa prova surpresa”, diz Vahid Sherafat, CEO do Escolas Exponenciais.

 

Como funciona?

O Diagnóstico foi criado para que as escolas tenham informações importantes de sua performance durante a crise ao comparar as suas respostas com as dos demais players do mercado educacional envolvidos na pesquisa e criando assim uma média nacional. Ele cobre três principais frentes:

  1. O quanto professores e pais estão satisfeitos com o serviço da escola durante o período de isolamento social;
  2. Qual o risco risco de evasão de alunos na escola;
  3. Como pais e professores estão avaliando a qualidade da relação entre os agentes da comunidade escolar (diretores, professores, pais, alunos, etc)

Saiba mais e faça sua inscrição na pesquisa!

 

Tempo de pesquisa e quantidade de entrevistados

“A maior pesquisa leva em torno de 7 minutos, segundo testes que fizemos, para os gestores. As de pais e professores é mais rápida. A maior parte das questões é de múltipla escolha e existe um grande grupo de perguntas que é tipo escala, aquelas em que você dá uma nota, de 0 a 5, de 1 a 10…”, explica Fabricio de Paula, pesquisador e especialista de comunicação do Escolas Exponenciais.

Vale ressaltar que as respostas são anônimas e não é preciso pagar nada para participar. É fundamental ter um número mínimo de respostas em cada um dos 3 grupos entrevistados, para garantir uma margem de confiabilidade de 95%. Em escolas com até 100 alunos, a participação mínima é de 7,5%. Para as que tem mais de 100 alunos, o percentual cai para 5%.

“O Diagnóstico Nacional de Educação tem validade de estatística e isso gera uma confiança ainda maior para as escolas sobre os resultados. Dependendo das respostas no momento da inscrição, o Escolas Exponenciais indica a meta de retornos mínimos para validar a estatística. E todo dia nós atualizamos quantas pessoas já responderam e quanto falta para bater a meta”, explica Felipe. Se a escola não consegue bater a meta para entrar para a estatística, ela recebe o resultado da pesquisa em forma de um relatório compilado, mas somente com seus dados internos, sem o comparativo nacional.”

Fabrício ressalta que, quanto mais respostas, maior a precisão do diagnóstico e melhores instrumentos para a tomada de decisões por parte das escolas.

“Investir esse tempo é uma grande oportunidade para o gestor. O contato com os pais, via ligações, mensagens… não é uma medida tão real quanto uma pesquisa desse porte, que vai dar ferramentas para minimizar muito os riscos no mercado educacional”, complementa Fabrício. 

 

Como participar?

As escolas interessadas em participar do Diagnóstico Nacional de Educação podem se inscrever para participar da pesquisa neste link.

“No formulário de inscrição, a escola só precisa colocar seus dados básicos, como segmento em que atua, número de alunos e professores. Feito isso, ela recebe um e-mail com um botão para iniciar o prazo de 30 dias para responder à pesquisa e mais alguns detalhes do projeto. Nesse momento, o gestor recebe um novo e-mail com 3 links, com os 3 questionários para eles próprios, para pais de alunos e professores”, explica Felipe Marino, coordenador de Marketing do Escolas Exponenciais.

A escola que decide participar também recebe algumas sugestões de textos de como comunicar a pesquisa aos pais e professores, com dicas de como conseguir  o maior engajamento possível. 

“Se a escola conta com um aplicativo de comunicação escolar, como o ClassApp, facilita bastante, mas não há dúvida de que a pesquisa pode ser feita também por e-mail, por um link no site da escola”, completa Felipe.

O ClassApp é um aplicativo de comunicação escolar, usado por quase meio milhão de pessoas em escolas do Brasil e fora, que possibilita manter a comunidade escolar conectada em um só canal e, dessa forma, tornar a comunicação entre gestores, coordenadores, professores, pais e alunos mais dinâmica e eficiente.

E para apoiar as escolas nesse momento de incertezas, o ClassApp está disponibilizando o aplicativo gratuitamente, em um projeto chamado ClassApp de Portas Abertas, que você pode começar a utilizar agora!

 

Para conferir mais informações sobre o Diagnóstico Nacional da Educação, acesse o Termo de participação e se inscreva gratuitamente

 

Comentários