Alunos com dificuldade de aprendizagem: qual o papel do professor?
Desafios Contemporâneos

Alunos com dificuldade de aprendizagem: qual o papel do professor?

7 min de leitura

No mundo em que vivemos hoje, enfrentando tantos problemas, é normal que crianças e adolescentes enfrentem dificuldade de aprendizagem. 

Estudantes apresentam dificuldades momentâneas ou mais prolongadas na escola pelas razões mais diversas e precisamos estar muito atentos para driblar os obstáculos que aparecem pelo caminho. 

Conversamos com a pedagoga e psicopedagoga carioca Melissa Lamego para entender melhor qual o papel do professor (e da família) nesse processo. Melissa faz acompanhamento individualizado de crianças, trabalha em um curso de formação de professores (Instituto de Educação Pró-Saber), além de realizar um trabalho inovador como coordenadora de um projeto socioeducativo na fazenda Vira-Mundo, em Petrópolis, região serrana do estado do Rio.

“Eu não gosto de falar ‘problemas de aprendizagem’, prefiro falar em desafios. O problema parece ser algo irreversível e o desafio a gente precisa se debruçar sobre ele para vencê-lo, entendê-lo como uma oportunidade de aprendizado. Se hoje lidamos com novas formas de ensinar, precisamos lidar também com novas formas de avaliar e diagnosticar.”

Separando transtorno de dificuldade de aprendizagem

Para falar sobre o assunto, é importante deixar claro, em primeiro lugar, que existe uma grande diferença entre dificuldade de aprendizagem e transtorno de aprendizagem. Transtorno é algo que tem uma causa genética e/ou neurobiológica e os alunos devem aprender maneiras de driblar essas dificuldades ao longo de sua vida. Alguns exemplos de Transtorno de aprendizagem são: TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade), TEA (Transtorno do Espectro Autista), TOD (Trastorno Opositor-Desafiador), Dislexia, Disortografía, Diosgrafia, Discalculia,… 

Confira também:

O papel do professor diante das novas tecnologias no processo educativo

Já as dificuldades de aprendizagem são mais pontuais, podendo ter, no entanto, causas internas ou externas. Existem dificuldades circunstanciais/ocasionais (como a pandemia), dificuldades pessoais (problemas em casa, separação de pais, doença …), dificuldades físicas…

São muitos os fatores que ajudam um aluno no processo de aprendizado, e também são muitos os que desmotivam. Tristeza, medo, falta de atenção, preguiça, etc. Nem sempre é fácil identificar a causa de dificuldades na escola. 

Professores e pais devem estar sempre atentos para que a criança receba o diagnóstico correto e possa receber a ajuda adequada durante seu processo de aprendizagem, tanto dentro quanto fora da escola. É preciso ver se a criança não tem dificuldade para ver, ouvir e falar, se tem as necessidades básicas atendidas (sono, alimentação …), se enfrenta problemas pessoais, entre outros, – e, assim, aplicar diferentes estratégias de ensino. 

É importante lembrar que cada criança tem seu ritmo de desenvolvimento e que é muito importante respeitar isso, adotando diferentes metodologias de ensino para diferentes dificuldades de aprendizagem. 

Como os professores podem ajudar alunos com dificuldades de aprendizagem em tempos de pandemia?

Pensando na pandemia e na consequente interrupção do ritmo normal das escolas, o que venho percebendo são movimentos muito diferentes. Existem crianças que enfrentam muitas dificuldades, mas existem outras que encontraram novas formas de aprender, de se comunicar, de sentir e de se relacionar com o próprio conhecimento. Crianças que desenvolveram outras habilidades e competências, lidando com as novas ferramentas de estudo com muita desenvoltura e tranquilidade. 

“O modelo de escola existente ainda é muito antiquado, muitas instituições ainda não apostam no trabalho em grupo, fazem muita aula expositiva, … Claro que existem muitas pessoas tentando ser inovadoras e buscando novos caminhos… Essa mudança brusca que aconteceu, de acelerar o uso da tecnologia, de certa forma possibilitou grandes conquistas para muitas crianças.”

Melissa conta que uma das ferramentas que encontrou com maior taxa de sucesso foi o Whatsapp. Ela diz que, apesar de esbarrar em barreiras de não ter sido criado para dar aulas, o Whatsapp proporciona uma conexão e aproximação muito boa com os alunos e destaca a importância para o uso de vídeos e fotos.

“Nesses meus 25 de profissão, o que eu mais valorizo é a oportunidade de construir vínculo com as crianças. Se eu tivesse que dar uma dica para vencer as dificuldades de ensino e aprendizagem, é: aposte no vínculo. Cada aula precisa ser voltada para aquele aluno ou para aquele grupo. É preciso fazer planejamento, mas é essencial apostar no calor da relação, no olho no olho, na empatia, em se colocar no lugar da criança. Tudo deve ser reavaliado dia a dia e aprendemos isso na marra com a pandemia.” 

Outra dica da pedagoga é manter o rigor e a disciplina do professor: “rigor não é rigidez e rigor neste momento exige flexibilidade de várias naturezas: de prazo, de produto final, de processo, …”

Ela ressalta a questão de o acesso a internet não ser democratizado no Brasil, dificultando ainda mais a situação de muitas crianças em seu processo de aprendizagem, mas destaca todos os esforços dos professores para encontrar caminhos.

“Os professores se desdobraram para poder dar conta desse momento, com muita pressão interna nas escolas, com muita pressão dos pais. Com o tempo, eles foram encontrando as melhores formas.”

Outro ponto a ser destacado é a importância de uma boa relação entre a escola e a família. “A parceria escola-família é essencial, a família tem que comprar a ideia da escola e a escola tem que abraçar a família, com suas características, sintomas, … É preciso haver uma relação de confiança. Eu vejo muitos casos de pais que falam mal da escola na frente das crianças. Isso é um erro grave nessa relação de parceria. Não tem como a criança acreditar na escola, se dedicar aos estudos, se a mãe e o pai não acreditam.”

Para Melissa, duas ferramentas são fundamentais para alunos com dificuldades. Eu não abro mão de arte e literatura em minhas aulas e essas hoje são aliadas ainda mais fortes da educação.” 

A especialista termina chamando a atenção para a importância de se valorizar a vida de cada aluno. “Nunca foi tão importante o conteúdo do sujeito, a vida de cada um, as percepções e sentimentos, como lidamos com as dificuldades. É preciso transformar isso em uma oportunidade de reflexão. É fundamental ter foco na casa das crianças. Por exemplo, fazê-las ver o que há de belo dentro da casa, fazê-los escutar os sons de sua casa, valorizar os jogos com os pais, fazer da casa uma oportunidade de construção de conhecimento. Não existe criança que não quer aprender.”

Como identificar dificuldades de aprendizagem?

Sintomas que devem ser observados por pais e professores

  • Falta de foco
  • Demora para realizar tarefas
  • Ansiedade
  • Dificuldade para realizar atividades sozinho/a
  • Dificuldade de entender as atividades propostas
  • Desinteresse pela escola no que se relaciona a atividades de aprendizagem
  • Esquivamento da hora de fazer lições
  • Desejo de não ir para a escola
  • Falta de comunicação sobre o que acontece na escola
  • Dificuldade para socializar com colegas
  • Falta de uma (ou mais) disciplina favorita
  • Irresponsabilidade
  • Agressividade
  • Introspecção em sala de aula e durante intervalos

Dicas para lidar com crianças com dificuldade de aprendizagem:

  • Personalização do ensino
  • Realizar atividades dinâmicas
  • Cativar alunos
  •  Dar liberdade para que os alunos se expressem
  •  Incentivar os alunos a terem autocontrole de emoções
  • Desenvolver sua autoestima
  • Ensinar a lidar com conflitos
  • Ajudá-lo a se relacionar com os outros
  • Envolver a família no processo de aprendizagem
  • Organizar a rotina de estudo
  • Organizar o ambiente de estudo 
  • Envolver um psicólogo no caso de um problema com origem emocional
  • Envolver um psicopedagogo no caso de uma dificuldade cognitiva
  • Reforço escolar – escolas adotam como estratégia pedagógica o desenvolvimento de um método de estudo individual. Excelentes resultados, inclusive de crianças com dificuldade de aprendizagem de nível neurológico.

Confira também:

Educação pós-pandemia: formação de professores para a nova realidade

Comentários