8 min de leitura

Estudar para os vestibulares pode ser um desafio para muitos alunos diante de um momento tão atípico como é o atual cenário de pandemia. Com as aulas acontecendo de forma remota, muitos podem ter dificuldades para fazer a preparação para as provas. Assim, é fundamental que o corpo docente conte ainda mais com o apoio da gestão da escola nesse momento, para poder orientar os estudantes da melhor forma durante esse desafio.

Além de ser uma conquista essencial na trajetória escolar do aluno, que representa o primeiro passo na formação de sua carreira profissional, a aprovação no vestibular também é importante para a instituição de ensino, pois a torna mais atrativa no mercado privado. Tendo isso em vista, separamos algumas dicas que podem ajudar o gestor a orientar a atuação dos professores nesse processo.

 

Confira também:
Ensino híbrido: como documentar as atividades e avaliar os alunos?

 

Organização é o primeiro passo

Com o aprendizado à distância, uma dificuldade comum do aluno é não saber o que priorizar, ou então acabar se distraindo e não conseguir fazer o estudo render. Para Juliana Rohsner, especialista em Coordenação Pedagógica, os professores podem ajudar muito nessa questão: “O estudo remoto exige do aluno comprometimento e organização. Percebemos que muitos estudantes não se planejam e acabam se atropelando e deixando tudo para última hora, por isso, é importante que o professor ajude a construir um calendário com metas semanais de leituras, resumos e fichamentos, deixando espaço para uma revisão próximo à prova”, explica.

Juliana ressalta a importância de incentivar a determinação de um tempo de qualidade para os estudos. Segundo ela, diferentemente da configuração de ensino tradicional, em que os alunos passam horas na escola e complementam o aprendizado em casa, as distrações domésticas podem atrapalhar o foco de uma preparação para vestibular que é feita exclusivamente no lar. “Por isso é importante criar uma agenda até a data da prova, fixando horários de estudo e de lazer, criando uma trilha formativa com os principais conteúdos e ressaltando os componentes curriculares que o estudante tem mais dificuldade. Diversificar o material de estudo intercalando textos, vídeos e documentários também é uma ótima opção”.

Nessa linha de diversificar os formatos de conteúdo, o professor Luiz Felipe Lins, mestre pela UNIRIO, ressalta a importância de o aluno utilizar diferentes mídias, como lives e debates, para refletir sobre assuntos de urgência social, econômica e ambiental, que são comumente cobrados nas provas. E quando se trata do estudo de exatas – mais precisamente de matemática, que é a área dele -, Luiz reforça que é importante priorizar diferentes estratégias de resolução: “É essencial dar enfoque aos conceitos, e não às ferramentas; não é a quantidade de exercícios que fará o aluno se tornar melhor, e sim a qualidade com que ele resolve o que é proposto”, explica.

Segundo o professor, refazer as provas dos anos passados pode ajudar os estudantes a ficarem mais familiarizados com os formatos dos exames. “Assistir a videoaulas que discutem cada questão dos vestibulares anteriores pode auxiliar muito nesse processo, bem como acessar plataformas que disponibilizem simulados gratuitos para trabalhar a questão tempo x eficiência, pontua.

 

Contornar as distrações, mas não deixar o lazer de lado 

Outras dicas também podem ajudar os estudantes nesse momento: procurar um espaço confortável e silencioso, deixando as distrações (como celular) em outro cômodo; abrir, no navegador de internet, apenas a aba com o conteúdo da matéria; dormir e se alimentar bem, pois isso influencia no foco e no desempenho; e não se esquecer dos momentos de lazer – assim como Juliana disse anteriormente, é essencial que eles também façam parte do planejamento do aluno. “Organizar um horário de estudo diário que tenha intervalos para trabalhar a parte emocional e manter o equilíbrio é fundamental”, concorda Luiz.

 

Confira também:
Autonomia e acolhimento: estratégias para cuidar da saúde mental dos alunos

 

Apoio dos professores é fundamental

Um ponto ressaltado por Juliana é que o ensino remoto em função da pandemia é muito diferente de um estudo EAD. Segundo ela, o EAD é uma modalidade de ensino estruturada que já tem recursos e profissionais preparados para ela – e que conta com estudantes que escolheram esse processo de ensino. Já a necessidade de ensinar remotamente por conta do distanciamento social pegou tudo mundo de surpresa e, por isso, o apoio do professor é ainda mais essencial nesse momento. “Estudantes e profissionais foram se ajustando conforme as demandas emergenciais e, apesar do esforço coletivo, muitos obstáculos atrapalham para que possamos garantir os direitos de aprendizagem. Por isso, ajudar os alunos a se motivarem é muito necessário, e é preciso que o professor passe mais do que conteúdo neste momento: é preciso que ele passe entusiasmo, esperança e um olhar corajoso frente aos desafios impostos”, reforça Juliana.

 

Vestibulares estão com data marcada

Com a necessidade de distanciamento social decorrente da pandemia, os vestibulares precisaram ser adequados a esse cenário e novas datas para as provas foram definidas. Confira, a seguir, como será o processo nas principais universidades do país e saiba mais sobre a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

 

Enem

O Ministério da Educação adiou o exame para o início de 2021, de forma que a prova tradicional acontecerá nos dias 17 e 24 de janeiro. Já o Enem Digital será em 31 de janeiro e 7 de fevereiro. A reaplicação da prova (para pessoas afetadas por eventuais problemas de estrutura) será feita em 24 e 25 de fevereiro, e os resultados serão divulgados a partir de 29 de março.

 

Unicamp

Para evitar aglomerações nas escolas, a primeira fase da Unicamp será realizada em dois dias: 6 de janeiro (para os candidatos aos cursos das áreas de Ciências Humanas/Artes e de Exatas/Tecnológicas) e 7 de janeiro (para os de Ciências Biológicas/Saúde). Também por esse motivo, o número de locais para a realização das provas foi ampliado e mais duas cidades no estado de São Paulo foram incluídas: Barueri e Fernandópolis. Além disso, também houve uma mudança na prova da primeira fase e, em vez das 90 questões, haverá 72 perguntas objetivas, de forma que o tempo máximo para a realização da prova será de 4 horas. A segunda fase não terá alteração no formato e também será aplicada em dois dias: 7 e 8 de fevereiro. A previsão para a divulgação da primeira chamada é 10 de março.

Outro ponto importante é que, excepcionalmente em 2021, a Unicamp não aceitará o Enem como forma de ingresso por incompatibilidade nos calendários. Segundo a universidade, as datas da realização do Enem não permitirão que os resultados sejam recebidos a tempo de serem considerados no processo. Dessa forma, as 639 vagas para ingresso via Enem serão destinadas ao vestibular próprio da Unicamp, que afirma, ainda, que manterá os percentuais de reservas de vagas do edital do Enem: 10% para candidatos de escola pública e 10% para os autodeclarados pretos e pardos (esse percentual do segundo grupo será somado à reserva já existente no vestibular, totalizando um mínimo de 25%).

 

Fuvest

A primeira fase do vestibular da Fuvest será realizada no dia 10 de janeiro, enquanto a segunda será em 21 e 22 de fevereiro. A previsão de divulgação da primeira lista da aprovados é 15 de março.

Mesmo com a mudança nas datas do Enem, os vestibulandos podem ficar tranquilos: a USP manteve as 2.905 vagas para o ingresso pelo Sistema de Seleção Unificada do MEC (Sisu), que utiliza as notas do Exame para o ingresso nos cursos superiores.

 

Unesp

Assim como a Unicamp, a Unesp também dividiu a primeira fase de seu vestibular em dois dias, com o intuito de não causar aglomerações. Em 30 de janeiro, os candidatos da área de Biológicas farão a prova, enquanto os de Humanidades e Exatas realizarão essa etapa em 31 de janeiro. A segunda fase será em apenas um dia, 28 de fevereiro.

O formato das provas também foi adaptado e, nas duas etapas, os exames contarão com questões objetivas de múltipla escolha. A primeira continuará com 90 perguntas e a segunda será composta de 60 (além da elaboração da redação). O resultado será divulgado em 19 de março.

 

Apostas em seleções on-line

Algumas instituições privadas – como Insper, Mackenzie, FGV, ESPM e Faap – decidiram aplicar provas on-line para os candidatos. As mudanças já começaram a ser realizadas em seus vestibulares para ingresso no meio do ano, e tudo indica que continuarão a todo vapor.

Para o Mackenzie, a prova on-line foi uma entre três possibilidades de ingresso. Também era possível buscar a aprovação por meio da nota do Enem de anos passados ou do vestibular anterior realizado na instituição. O Insper, por sua vez, também mudou o formato por conta da pandemia e permitiu a realização das provas por meio de uma plataforma on-line específica. Já o vestibular on-line da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) é realizado por uma entrevista de 30 minutos com um professor do curso e uma redação.

 

Confira também:
Como motivar alunos no ensino a distância?

Comentários