6 min de leitura

A ciência já comprovou que estabelecer relacionamentos que possam gerar confiança e autonomia, assim como sentir-se querido e aceito, reflete nas nossas decisões e na forma como olhamos para o mundo. E isso começa desde a infância, onde crianças e os jovens que crescem regulando melhor suas emoções percebem a influência positiva dessa estabilidade no seu aprendizado. Neste contexto, sua instituição tem se preocupado com a saúde emocional dos alunos durante a pandemia? Eles estão sendo acolhidos nesse momento difícil? 

De acordo com Gilber Machado, CEO da startup KUAU e educador com experiência em Protagonismo e Liderança Juvenil, Orientação Profissional e Projeto de Vida, nesse momento de incertezas, quando pais, professores e gestores se questionam sobre a volta às aulas, o melhor mesmo a se fazer é focar naquilo que se tem controle. E, neste sentido, o cuidado com a saúde mental dos alunos é um dos primeiros passos, e deve ser ser pensado de forma conjunta.

“A escola encontrou o momento, mais que oportuno, para desenvolver aquilo que é obrigatório pela BNCC […] o Projeto de Vida. Ele é um item curricular essencial e traz questões fundamentais que fazem-me refletir sobre quem eu sou, ou quem eu quero ser e o meu papel no mundo”, comenta Gilber. 

Ele reforça inclusive que o Projeto de Vida é essencial não apenas para que os estudantes entendam sua importância no mundo, mas também desenvolvam uma visão positiva sobre o futuro. Isso pode ser trabalhado através de narrativas (orais ou escritas) e de forma integrativa, conectando os familiares. Para adolescentes, por exemplo, as discussões podem ser voltadas para valores e crenças, fazendo com que os jovens se posicionem em relação a isso.

 

Saiba como, e se, suas estratégias estão refletindo na satisfação de pais e professores: Participe gratuitamente do do Diagnóstico Nacional da Educação

 

Como implantar um projeto de vida na sua escola

Em outra oportunidade, já mostramos como usar a tecnologia nas diferentes etapas da educação. Aproveitando esse cenário digital, o planejamento do Projeto de Vida da instituição pode ser construído totalmente online, usando a ferramenta Canvas, por exemplo, que permite a participação conjunta de professores, coordenadores e gestores.

Mas em relação aos estudantes, como é possível trabalhar com o projeto de vida em um período de tantas incertezas e medos? Bom, a própria Base Nacional Comum Curricular (BNCC) reconhece que o projeto de vida é essencial para a formação de estudantes autônomos, críticos e responsáveis. Então, um dos caminhos para abordar esse tema é por meio engajamento, conduzido pelo acolhimento e autonomia.

O CEO da KUAU explica como pode ser dada essa autonomia aos jovens:

“O adolescente não é criança, mas também não é adulto, então, você tem que trabalhar o desenvolvimento da autonomia com limites, onde você tem, através da escola e dos pais, a mentoria, o apoio, o suporte, mas você define limites claramente”, ele ainda completa: “Se você define limites é porque você dá liberdade de atuação dentro daquele universo que foi estabelecido como limite”. 

Outra parte importante dentro do protagonismo juvenil é a atuação coletiva. Por meio das ações coletivas, o jovem vai desenvolver as ferramentas importantes para vivenciar o “mundo real” da vida adulta, com todos os seus conflitos e diferenças. Esse tipo de atuação está prevista na BNCC como habilidade socioemocional – e pode ser fundamental para lidar com o isolamento social e o avalanche de emoções ele que traz consigo, como o medo e a ansiedade.

 

O mapa da empatia

Nesse momento de pandemia, muito tem se falado também em empatia. Afinal, se de um lado estão as escolas que tiveram que suspender as aulas repentinamente, com gestores preocupados com a estabilidade do seu negócio; do outro lado, estão pais com filhos tendo que driblar os desafios de gerir uma “escola em casa”.  Ou seja, não há como negar que todos são afetados, em diferentes níveis e é fundamental que quem esteja do outro lado da tela compreenda isso.

 

Confira também:
Educação em tempos de pandemia: um novo futuro para as escolas

 

É importante reforçar que as crianças também têm a saúde mental e, consequentemente, o aprendizado afetado com toda essa situação de instabilidade. Então, além dos esforços em garantir que o conteúdo seja transmitido a distância, a escola deve trabalhar com o acolhimento através da empatia. 

O mapa da empatia é mais uma ferramenta online sugerida por Gilbert. Esse recurso é bastante utilizado na área de vendas e consiste, basicamente, em refletir sobre as atitudes, os pensamentos e os sentimentos do cliente, para criar estratégias de vendas eficientes. Como ferramenta pedagógica, o mapa da empatia pode estimular os estudantes a refletirem em relação a eles mesmos; os pais e professores também podem participar dessa dinâmica. 

Outra ferramenta indicada pelo especialista é o diário de bordo. Ele permite trabalhar o acolhimento de maneira empática e pode ser utilizado do fundamental II até o ensino médio. No diário, os alunos podem relatar vivências, sentimentos e reflexões. Esses registros geram uma narrativa sobre os obstáculos e as atitudes de superação, possibilitando uma reflexão crítica.

 

Um novo olhar para o futuro

Segundo Gilber, por nossas crianças e jovens já estarem imersos em uma cultura digital, é importante incorporá-las no processo de ensino-aprendizagem. Portanto, recai sobre a escola, em parceria com a família, a responsabilidade de formar cidadãos éticos, engajados e emocionalmente inteligentes. 

É nesse contexto que o Kuau desenvolve suas metodologias educacionais para as gerações Z e Alpha. A solução do Projeto de Vida, desenvolvida pela startup, oferece materiais para educadores, aplicativos para alunos e um plataforma de gestão escolar, permitindo uma integração completa.

“Daqui para a frente os educadores precisam abraçar as metodologias ativas que permitem esse engajamento, essa participação, essa coautoria, esse protagonismo, e a tecnologia digital é aquilo que vai facilitar também o engajamento dos alunos, e principalmente o processo de gestão desse processo”, finaliza o CEO da empresa.

 

Assista à palestra completa sobre o assunto:
Autonomia e acolhimento: estratégias de engajamento para o ensino remoto

 

A Kuau é uma empresa especializada em Projeto de Vida e Aprendizagem Socioemocional que atende mais de 900 escolas em todo Brasil com soluções inovadoras para os nativos digitais. Acesse também 4 materiais gratuitos sobre sobre Autonomia, Protagonismo e Projeto de Vida na Escola preparados pela empresa.

Comentários