2 min de leitura

Cerca de 400 estudantes estarão reunidos entre os dias 4 e 7 de setembro para participar da 16ª edição do PoliONU, a maior simulação da Organização das Nações Unidas (ONU) na América Latina, organizada por alunos do Ensino Médio. A participação é aberta aos estudantes do Poliedro Colégio de São José dos Campos, São Paulo e Campinas e das escolas associadas do Poliedro Sistema de Ensino em todo o Brasil.

No evento, os participantes se dividem em comitês – como delegações de países, ONGs e órgãos da imprensa – para discutir tópicos da agenda global, promovendo a melhor compreensão da realidade por meio do levantamento de diferentes perspectivas. Entre os assuntos abordados, estão “os impactos do aquecimento global na Oceania”, “ameaças à liberdade de imprensa nos países democráticos”, “a violação dos direitos humanos das crianças com deficiência na Ásia”, entre outros.  

De acordo com Andrea Godinho, coordenadora do Ensino Médio do Poliedro Colégio, o PoliONU é uma oportunidade de discussão para apresentação de novas ideias, sempre prezando pelo apoio e bem-estar comum. “Com a iniciativa, o Poliedro tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento acadêmico e do senso de empatia dos estudantes ao mostrar como problemas de outros países podem afetar, direta ou indiretamente, toda a sociedade”, afirma.

Além disso, o projeto ainda atende as propostas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e do Novo Ensino Médio. “É um projeto que estimula o desenvolvimento de diversas competências e habilidades, entre elas a oratória, a argumentação, a resolução de conflitos e o trabalho em equipe, de modo que o estudante aplique, na prática, todo o conhecimento adquirido em sala de aula”, explica.

Neste ano, estarão disponíveis as modalidades presencial para alunos da unidade de São José dos Campos; híbrida, que contempla um dia presencial e três à distância para estudantes das unidades de Campinas e São Paulo; e on-line para todos os participantes de outras cidades e estados e também para aqueles que ainda não se sentem seguros para a retomada das atividades presenciais. 

 

Comentários