2 min de leitura

Os reais desafios e as principais demandas da educação infantil foram os assuntos debatidos na manhã desta segunda-feira (18), no maior evento de educação básica, a Educa Week. O bate-papo foi mediado por Sandra Pavan, que é orientadora educacional do Colégio Rio Branco Campinas, e por Cláudia Tricate, que é diretora pedagógica do Colégio Magno. Quatro profissionais foram convidadas para participar do painel, entre elas Katia Stocco Smole, que é diretora do Instituto Reúna.

Devido à pandemia, Katia acredita que um dos pontos principais para o retorno presencial das aulas, no contexto da educação infantil, é a formação dos professores. Segundo a profissional, as crianças, sobretudo as menores, tiveram o aprendizado prejudicado durante o período de educação on-line. “Pesquisas importantes mostram que houve um prejuízo relevante no desenvolvimento físico, emocional e linguístico das crianças”, ressalta.

Para Katia, os docentes devem ser capacitados para acolher as experiências iniciais vivenciadas pelos alunos, fora da escola, e então, dar início ao processo pedagógico. “Precisamos pensar na formação dos professores, focando em não lamentar o que as crianças não viveram, mas enxergando a possibilidade do que tem por aí. É importante entender que as crianças continuaram vivendo na pandemia. Acolher essas experiências deve ser ponto de partida”, afirma.

Segundo a profissional, o olho dos educadores deve estar menos focado no período que as crianças passaram longe da escola e mais atentos ao que pode ser feito a partir da volta às aulas presenciais. “Não podemos perder as boas experiências e as conquistas desse período”, avalia. Ainda de acordo com Katia, os gestores também devem usar como referência na formação a BNCC (Base Nacional Comum Curricular), que trata dos direitos de aprendizado da criança, da convivência e do brincar.

Comentários