4 min de leitura

Para toda empresa prosperar, planejar é fundamental. Ainda mais em tempos de crise e de tantas transformações no mercado. Para realizar uma travessia em meio a uma tempestade é preciso ter um bom plano, certo? Conhecer exatamente as características do barco, suas potências e falências, para garantir que chegue a seu destino nas melhores condições, com a maior segurança para sua tripulação e se destacando das demais embarcações. O mesmo acontece com uma escola, onde o plano de gestão escolar 

Segundo Julio Vieitas, fundador da Julio Vieitas Consultoria Educacional, um bom plano de negócios aumenta muito as suas chances de sucesso. Isso não significa que a sua instituição estará isenta de imprevistos e obstáculos, mas que você, na posição de gestor(a), estará muito mais preparado(a) para enfrentar as adversidades e aproveitar oportunidades. 

O plano de gestão escolar é uma ferramenta em forma de documento, onde constam todas as informações importantes para uma boa gestão durante o ano letivo. Uma espécie de traçado de caminho a ser percorrido para que a instituição atinja seus objetivos.

É com base nesse documento que a escola vai traçar suas metas para oferecer ensino de alta qualidade a alunos atuais e ainda oferecer atrativos para conseguir novos estudantes, sem falar em reduzir a inadimplência, manter uma equipe com alta capacitação, uma infraestrutura moderna, etc.

Ter um plano feito com base na maior quantidade possível de informação interna sobre a escola é muito importante, assim como é essencial conhecer as necessidades de toda a comunidade escolar e estar bem atento ao contexto social e econômico do país, analisando bem o setor educacional e conhecendo a concorrência. Quanto mais detalhado for o plano, maior a probabilidade de sucesso.

Só para dar alguns exemplos do tipo de informação que um plano deve conter: número de alunos, taxa de evasão, metodologias usadas, controle de finanças, controle administrativo, calendário de eventos, recursos materiais e físicos, estratégias de marketing, informações da equipe de colaboradores, alunos e responsáveis, calendário acadêmico e administrativo, …

E aqui vão algumas dicas para você já começar a elaborar seu plano de gestão escolar:

  1. Tenha um panorama muito claro da escola. Ou seja, é preciso mapear bem a situação atual, para evidenciar no que ela se destaca e em que precisa mudar. É fundamental saber exatamente quais são seus desafios e pensar o que pode ser feito para solucionar problemas. Uma boa ferramenta para um eficiente planejamento escolar é ter um sistema de gestão escolar, ou seja, um bom software que permita a união de todas as informações em uma única plataforma.
  2. Alinhe seu plano a um Projeto Político Pedagógico claro, um instrumento que reflita bem a proposta educacional da instituição, regido pela Lei de Diretrizes da Educação Nacional e pela BNCC (Base Nacional Comum Curricular).
  3. Invista em metodologias ativas, atualizando o modo de ensinar, para atender as gerações nativas digitais e prepará-las para enfrentar os desafios de um mundo digital, em constante transformação.
  4. Tenha um bom controle das finanças da instituição (balanços, inadimplências, break even, receitas e despesas…). Julio Vieitas ainda sugere que você considere o departamento comercial e o departamento de marketing em seu planejamento. Vendas mais estruturadas e contínuas ajudarão na organização das finanças da sua instituição de ensino.
  5. Envolva a comunidade escolar no plano. É importante ter a visão da equipe docente, ouvir suas ideias e trocar experiências sobre tendências educacionais, buscando projetos eficazes para a realidade escolar. O envolvimento de pais e responsáveis também é importante, para atender suas expectativas, assim como ouvir o pessoal do staff, pessoas que têm contato diário com os alunos, muitas vezes maior do que os gestores.
  6. Estabeleça metas que sejam mensuráveis, concretas, e com datas específicas para serem cumpridas.
  7. Mantenha o plano sempre atualizado, pois ele pode sofrer alterações no meio do ano, de acordo com necessidades específicas, como aconteceu em março passado com a pandemia. De preferência, faça avaliações periódicas, para reavaliar as metas e garantir que o plano siga seu melhor caminho dentro de uma situação de longo prazo, ou seja, do ano letivo. A reavaliação do plano pode ser a cada seis meses (ou quando for preciso).
  8. Monitoramento do plano. Não basta realizar o plano, é fundamental acompanhar os resultados e fazer uma avaliação anual ou sempre que for necessário.

 

Leia também:
Estratégias para recuperar o seu colégio em tempos de crise

Comentários