classup congresso brasileiro de educação

Views: 752

Written by:

ClassUP se consolida como maior congresso de crescimento escolar6 min de leitura

Evento teve índice aprovação de 100% entre os 600 participantes

Com a presença de empreendedores renomados do setor, o congresso ClassUP – Escolas Exponenciais discutiu como inovar e crescer diante dos desafios contemporâneos na gestão escolar. O evento foi realizado na última quinta-feira, dia 19/04, no Expo Center Norte, em São Paulo, e reuniu cerca de 600 pessoas entre gestores, diretores, mantenedores, professores e profissionais de comunicação e marketing e RH de importantes instituições de ensino do país. Em pesquisa para avaliar o evento, 100% dos participantes aprovaram a qualidade do ClassUP.

Foram 10 horas de programação, incluindo palestras, workshops e uma feira de negócios. No painel de abertura, sobre “O que as startups podem ensinar para as escolas?”, Fabrício Bloisi, CEO e Fundador da Movile (das empresas iFood, Play Kids, Leiturinha, entre outras) usou a história da sua empresa – que cresceu 500% nos últimos 15 anos, tornando-se hoje a segunda no mundo na área da educação digital -, para afirmar ao público a importância de ser resiliente frente às dificuldades de inovar em qualquer setor. “Desenvolvemos milhares de ideias diariamente e cometemos muitos erros, mas acreditamos que esse é o processo, errar, corrigir, aprender, ajustar e repetir, até encontrar o resultado esperado. Mude, mude sempre e rapidamente, afinal tudo está mudando e temos espaço para sair de onde estamos para ir para onde podemos ir.” De acordo com Bloisi, a educação do futuro está sendo escrita agora. “A tecnologia sozinha não resolve a questão, mas com liderança, inovação e mudança, é possível fazer muito nesse sentido.”

painel-abertura-classup

Fabrício Bloisi no painel de abertura do evento.

Para Gustavo Fuga, fundador e presidente da 4YOU2, para uma inovação se materializar em mudanças reais, é preciso que as lideranças das organizações a fomentem. “O país clama por escolas exponenciais. Temos um déficit e é uma responsabilidade que temos que assumir. Quão inerte ou pouco crítico estamos frente à educação do futuro? O problema é muito grave, não podemos nos esconder”, pontuou. No ClassUP, Fuga participou do painel de abertura e ministrou um workshop sobre “Investimento Inteligente: Como fazer mais com menos?”

Gustavo-Fuga-no-ClassUP

Gustavo Fuga em seu workshop sobre “Economia Inteligente: Como fazer mais com menos?

 

Cultura empreendedora

Outro workshop com grande participação do público no evento, foi o “Cultura Empreendedora e de Inovação”, coordenado por Flávio Pripas, diretor do Cubo, para quem o empreendedorismo deveria ser ensinado nas escolas. “Precisamos estimular o desafio ao status quo, senão o mundo não vai para a frente. As escolas não preparam os alunos para o fracasso, apenas para o sucesso. E inovação é tentativa, pois não se sabe o resultado final, é algo desconhecido”. Para ele, a pedagogia tem que entender o novo modelo mental, em que tudo deve ser testado, pois não há certeza sobre nada.

“As mudanças estão acontecendo muito rapidamente. Todo gestor tem que abrir a mente para entender e compartilhar essas mudanças”.

Flavio-Pripas-no-ClassUP

Flávio Pripas falou sobre “Cultura Empreendedora e de Inovação” no ClassUP

Mais dois workshops completaram a grade da programação do evento. Um sobre métricas financeiras, ministrado pelo CEO da Superlógica, André Baldini, intitulado “Alavancando crescimento: o que as escolas podem aprender com as startups na análise de métricas financeiras?” e outro com a advogada Patrícia Peck Pinheiro, especializada em direito digital, que falou aos participantes sobre “Como ter proteção jurídica no registro escolar”.

André-Baldini-e-Patrícia-Peck-no-ClassUP

André Baldini ministrou um workshop sobre métricas financeiras (esq.) e Patrícia Peck falou sobre proteção jurídica no registro escolar (dir.)

 

Brainstorm

Com o objetivo de inspirar gestores escolares a enxergarem além das limitações imediatas, o ClassUP promoveu palestras e debates que trouxeram dados e cases de diferentes áreas que envolvem a gestão escolar, a partir de quatro trilhas: inovação, crescimento, desafios contemporâneos e encantamento de clientes.

Na trilha Encantamento, Vahid Sherafat, CEO da ClassApp, falou sobre “Marketing de defensores: como investir nos clientes para que eles falem de você?”. Segundo ele, retenção e fidelização é o melhor trabalho de marketing que uma escola pode fazer.

Diante de clientes cada vez mais descrentes e empoderados, como ser mais eficiente? Vahid apontou quatro mudanças necessárias para tirar proveito do marketing de defensores:

1) Invista em ter clientes mais satisfeitos: escute melhor o seu cliente, atenda suas expectativas na medida do possível;

2) Invista mais em atendimento: invista em sua equipe, em capacitação, fale bem do seu cliente, invista em relacionamento;

3) Invista mais em comunicação: transmita o que você está fazendo regularmente, conte, comunique o que você faz, seja uma marca empática, defenda causas, conte mais histórias;

4) Busque a excelência: busque ser o melhor no seu nicho; seja eficiente (faça cada dia melhor); não ganhe clientes apenas pelo valor.

Como conhecer seu cliente; a recente onda de aquisições e investimentos em escolas de ensino básico; posicionamento de mercado no setor da educação, como transformar comunicados em relacionamentos inteligentes, atendimento aos pais, como encantar os clientes e como atrair e motivar talentos na área educacional, completaram os temas explorados nos demais painéis.

 

Encerramento

Encerrando o evento, os participantes assistiram ao filme da cineasta May Taherzadeh, “Uma Escolha” (Mercy’s Blessing). Com enredo centrado nas diferenças sociais na comunidade do Malawi, na África, onde menos de 25% das meninas terminam a educação primária, e menos de 5% terminam o nível secundário. “Uma Escolha” traz importantes reflexões sobre igualdade de gênero, privilégio na educação, justiça social, evasão escolar entre outros, e reforça, especialmente, a importância da Educação. Além de contar sobre a origem do curta – que nasceu para contar uma história que inspirasse alguma mudança naquela sociedade que conheceu ainda na adolescência -, May também falou sobre o poder do storytelling como ferramenta de educação e de comunicação entre escolas e famílias.

 

May-Taherzadeh-no-ClassUP

A cineasta May Taherzadeh no painel de encerramento do ClassUP

 

Quer aprender ainda mais?

Não deixe de nos seguir no Facebook! É lá que divulgamos todas as novidades e conteúdos em primeira mão, além dos artigos relacionados às palestras do ClassUP. 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *