3 min de leitura

Uma nova disciplina entrará na grade escolar dos alunos do ensino médio. As instituições de ensino têm até o próximo ano para implementar a nova proposta, chamada ‘Trabalho e Projeto de Vida’. Com o caráter obrigatório, a matéria propõe incentivar a reflexão sobre o futuro e promover o autoconhecimento dos estudantes.

Em São Paulo, a escola Teia Multicultural já elaborou o currículo do Novo Ensino Médio e, sendo assim, já colocou em prática a nova disciplina.  “No ‘Projeto de vida’, os alunos têm a oportunidade de idealizar suas profissões para entender o que eles podem fazer agora, por eles mesmo, como identificar as áreas que gostam, pesquisar as atividades que gostam, que têm facilidade e quais valores eles têm”, afirma Lucas de Briquez, empresário e professor de empreendedorismo

De acordo com Briquez, é preciso romper com a ‘tradição’ de enxergar o ensino médio como um período exclusivo de preparação dos jovens para o vestibular. “A sociedade pouco se dedica ao entendimento e apoio aos adolescentes. Ainda acredita-se, na grande maioria das escolas, que esses três anos de ensino médio servem única e exclusivamente para realizar o Enem e entrar numa universidade. Neste período, os adolescentes estão passando pelas maiores transformações psicológicas e físicas, se preparando para o que vem a seguir: a vida adulta”, pontua.

A partir da vivência dessa matéria, o profissional explica que os alunos são instigados a descobrir suas potencialidades e vontades. “É um processo de autoconhecimento, onde podem planejar os próximos passos”, ressalta.

Para a neuropsicopedagogia e mestre em pedagogia Georgya Corrêa, que também é diretora pedagógica da Asas Educação, a nova proposta auxilia os estudantes a entenderem a importância de aprender o que a escola está oferecendo. “O ‘Projeto de Vida’ traz a possibilidade de o estudante entender porque ele precisa conhecer, dá sentido para o estudo”, completa.

Segundo a profissional, a disciplina promove uma maior percepção de mundo e nas possibilidades de vida. “O estudante pode olhar para ele mesmo e ver quais habilidades faz sentido para ele e que ele gostaria de contribuir para o mundo”, destaca. 

‘Projeto de Vida’ antes mesmo do ensino médio

Por considerar uma importante ferramenta de autoconhecimento, Georgya acredita que a disciplina ‘Projeto de Vida’ deveria ser incluída na grade escolar antes mesmo do ensino médio.

“A escola pode constituir desde o início da vida escolar com esse propósito de que o estudo faça sentido. É uma mudança de perspectiva no processo de aprendizagem que não dá para começar só no ensino médio”, destaca.

E essa prática tem sido realizada na Teia Multicultural, em São Paulo. Segundo o coordenador Juan Otárola, os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental recebem uma proposta de realização de monografias, com a liberdade de escolher o tema da pesquisa, assim como qual professor será o orientador.

“O objetivo é que aprendam a realizar pesquisas em fontes diversas, como livros, enciclopédias, entrevistas, vídeos e demais materiais de apoio, a fim de que respondam a uma pergunta, que será o tema da sua investigação. Ao final desse processo, os estudantes entregam a monografia, escrita dentro das normas da ABNT e, por fim, apresentam o seu trabalho para familiares e outros convidados, da forma que escolherem”, explica.

Ao final do ensino fundamental 2, os estudantes desenvolvem um projeto de realização com um produto final, utilizando os conhecimentos adquiridos em pesquisas. “A partir desse ponto, os estudantes podem projetar algo do seu interesse, também orientados, apresentando sua produção e de que maneira desenvolveram seu projeto para chegar a esse produto”, afirma Otárola.

“Ao concluírem o ensino médio, reunindo todos esses saberes, trabalhando em seu Projeto de Vida e Empreendedorismo, deverão desenvolver um produto ou serviço com validação mercadológica, apresentando seus projetos com pesquisas recentes sobre o nicho escolhido e de que maneira pretendem atuar nesse setor”, completa o coordenador.

 

 

Comentários