5 min de leitura

O ensino remoto, feito atualmente pelas escolas particulares brasileiras é aprovado por 82,4% dos pais de alunos. Esse é um dos principais dados trazidos pelo “Diagnóstico Nacional da Educação” – um estudo feito com mais de 11 mil famílias e 4 mil professores de cerca de 300 escolas particulares brasileiras, pelo Escolas Exponenciais – líder em pesquisa e apoio estratégico para instituições de ensino. O intuito da pesquisa foi fazer um “Raio X” do relacionamento entre pais e instituições de ensino durante a pandemia.

Quando perguntados sobre a qualidade das aulas online, a nota média dada pelos pais é 8 e, para a qualidade da comunicação entre escolas e pais, 8,6. As ações tomadas pelas escolas particulares durante a pandemia também estreitaram a relação com as famílias. 42,4% dos pais disseram que seu relacionamento com a gestão da escola saiu fortalecido e 48,5% relataram que a proximidade permanece a mesma. Apenas 9,1% dos pesquisados responderam que o laço com a escola se enfraqueceu no período.
Para Vahid Sherafat, CEO do Escolas Exponenciais, os números mostram que, apesar de todas as instituições de ensino terem sido afetadas pela pandemia, por enquanto, a maioria delas têm sido bem sucedida nas estratégias que colocaram em prática neste momento de crise.

“No meio do caos por conta da pandemia que acometeu todos os segmentos da economia mundial, não há fórmulas mágicas para se sair totalmente ileso. De alguma forma, o ensino acaba impactado. Observamos que as escolas que se deram bem em reverter este impacto foram as que se mostraram flexíveis para abraçar o mundo digital com maior natividade e rapidez”, comenta.

Contudo, prossegue Sherafat, houve casos de escolas que precisaram se adaptar às pressas ao novo cenário. “Nossa análise é que, ao mesmo tempo em que este foi um momento extremamente desafiador para todas as escolas do Brasil, já que ninguém fazia ideia do período pelo qual precisaríamos atravessar, ele trouxe um estímulo extra para a inovação e para a transformação digital das escolas de uma forma mais proativa”, acrescenta.

 

Confira a entrevista completa com Vahid Sherafat sobre a pesquisa, feita pela CBN

 

Se por um lado os laços entre escolas e pais ficaram fortalecidos, a pesquisa mostra uma queda na renda das famílias, o que pode trazer um impacto para o ensino privado: 71% dos respondentes tiveram redução salarial durante a pandemia. Isso reflete também no crescimento do número de pais que pretendem trocar os filhos de escola. Se antes do início da quarentena esta era a intenção de 8,4% dos pais, atualmente 19,7% pensam em mudar seus filhos de escola – sendo que 52,2% o fariam por motivos financeiros.

 

Trabalho aumentou para 86% dos professores

O estudo também investigou como a pandemia foi percebida pelos professores da rede privada de ensino. Segundo 86% dos respondentes, o volume de trabalho aumentou. Para 11% permaneceu o mesmo e, para 3%, diminuiu.

Um fator capaz de explicar esta porcentagem expressiva no número de professores que sentiu aumento de carga horária foi a parcela que relatou possuir pouco ou nenhum conhecimento das ferramentas necessárias para as aulas online (70,3% e 9,2%, respectivamente), contra 20,5% que disseram ter muito conhecimento.

No entanto, os números mostram também que uma quantidade considerável já se preparava para tempos mais atribulados: 38,2% se disseram confortáveis com este aumento na carga de trabalho; 34,5% expressaram estarem neutros e, 27,3%, desconfortáveis.

 

Novamente, em contrapartida, outro ponto negativo é que 26% deles relataram ter sofrido redução salarial e 44% disseram temer acabar perdendo o emprego por conta da crise, alcançando o maior nível (56%) entre os profissionais da educação infantil.

 

Saiba mais sobre o Diagnóstico Nacional da Educação

 

Um Norte para gestores

O Diagnóstico Nacional da Educação desbrava um território absolutamente atual e, portanto, ainda inexplorado no Brasil. O estudo traz insights valiosos do ponto de vista da gestão do ensino privado nacional. “As escolas tiveram que se reinventar, os colégios que nunca tiveram contato com o digital foram obrigadas a se tornar online e o relacionamento com os pais, que sempre foi um desafio, é agora questão de sobrevivência”, diz o CEO do Escolas Exponenciais, Vahid Sherafat.

Ele ressalta que o objetivo do Escolas Exponenciais é que o levantamento ajude as escolas particulares a definirem seus próximos passos e a estudarem medidas que contribuam para estreitar ainda mais os laços com os pais. “As escolas que participaram receberão um relatório detalhado e poderão extrair do estudo quanto os seus professores e pais estão satisfeitos com o serviço da escola neste momento em comparação com a média nacional, além de entender o risco de evasão de alunos e a percepção dos professores em relação ao atual momento”, afirma.

Executado a partir de uma pesquisa que avalia o nível de fidelização e satisfação dos pais e professores à escola, o diagnóstico é um dos diversos estudos anuais promovidos pelo Escolas Exponenciais e teve seus números detalhados divulgados durante o maior evento de educação da América Latina, o Conecta Escolas Exponenciais Live, que aconteceu de 22 a 24 de julho para 10 mil participantes.

 

Confira também:
Rematrícula: como montar um plano em plena pandemia

Comentários