6 min de leitura

Já é mais do que sabido que o modelo tradicional de ensino, onde o professor é o detentor do conhecimento, não funciona mais para o aluno do século 21. Dentre as alternativas a serem adotadas em sala de aula para atrair o interesse e engajar os estudantes estão a adoção de metodologias ativas e o uso de tecnologias digitais.

Ao usar a metodologia ativa, o professor deixa de ser uma figura isolada que repassa o conhecimento para se tornar um companheiro de jornada, que pode trabalhar para construir atividades mais ricas e centradas no protagonismo dos alunos.

Exemplos de metodologias ativas e o uso de tecnologias digitais

Um debate, um trabalho em grupo, uma discussão de caso ou uma aula invertida são exemplos de práticas de aplicação de metodologias ativas.

É qualquer atividade que coloque o aluno no centro do processo de aprendizagem e que o provoque a absorver os conteúdos através de desafios, ações, projetos e resoluções de problemas reais.

A tecnologia é uma ‘linguagem’ com a qual o ser humano pode explorar a forma como aprende e não se trata de ser uma finalidade em si ou um meio. O uso da tecnologia, embora não seja imprescindível, pode potencializar e muito a adoção de metodologias ativas nas escolas”, avalia Roberto Moreno, Director of Supply & Engagement da BYJU’S FutureSchool.

Confira também:

Avaliação de aprendizagem: formas alternativas e eficientes para a sua escola

Para o nativo digital, torna-se muito natural o uso de tablets, celulares, dentre outros dispositivos, com os quais se pode ter acesso a um conteúdo, praticamente, infinito. “Porém, acredito que o desafio educacional com o uso da tecnologia não é tornar o aluno uma ‘esponja’, mas sim uma ‘peneira’, ou seja, aprendendo a discernir quais são os bons conteúdos”, avalia Moreno.

Logo, é possível potencializar as metodologias ativas com o uso de tecnologias digitais.

Como plataformas de ensino utilizam a tecnologia para fomentar o desenvolvimento do aluno

“Para uma aula invertida, por exemplo, imagine poder usar o ambiente de uma plataforma LMS (Learning Management System) para atribuir as atividades no dia anterior, podendo os alunos elaborarem uma apresentação online e já compartilharem com os colegas de classe. Isso deixa a discussão do dia seguinte mais fluida e coloca o aluno como protagonista na pesquisa do conteúdo”, sugere o diretor.

A BYJU’S é uma plataforma de tecnologia de educação online que oferece aulas particulares online e personalizadas de programação para crianças e adolescentes entre 6 a 15 anos, e totalmente estruturado dentro de metodologias ativas para estimular a criatividade e autonomia dos alunos.

“A linguagem da programação utiliza códigos que são considerados complexos e o programador precisa desenvolver e aplicar o raciocínio lógico. Exige muita concentração, o que acaba estimulando o lado esquerdo do cérebro, que é a região responsável por coordenar as capacidades de análise, lógica e criatividade, fazendo com que essas três habilidades fiquem mais apuradas. No dia a dia, o estímulo a essas habilidades melhora o desempenho escolar em diversas disciplinas”, explica.

Preparação dos professores

Muitos professores tiveram que se adaptar durante a pandemia em relação ao modelo de aula que costumavam aplicar. Dentro do ambiente digital, os docentes puderam se reinventar e potencializar as aulas com o uso de recursos digitais. “Isso representa um marco no mindset de ensino de diversos educadores, porém não constitui por si só em adoção de metodologias ativas”, explica Roberto Moreno.

O diretor da BYJU’S aponta que se em uma aula 100% online ao vivo os professores utilizarem uma apresentação muito bem elaborada, mas mantiverem um monólogo na sala de aula, os alunos ainda estarão sendo submetidos a uma aula unilateral.

“Acredito ser importante que educadores primeiro conheçam quais são as possibilidades de metodologias ativas, uma vez que elas visam dar protagonismo aos alunos, criando maior interesse, engajamento e, consequentemente, melhor aprendizagem do conteúdo que está sendo ministrado”, resume.

Ele chama atenção para a importância das escolas também terem consciência de que é importante refletir a respeito da distribuição de conteúdo que é exigido do professor para ministrar em sala de aula.

“Às vezes o professor até gostaria de discutir o tema da aula de forma mais engajadora, porém não dispõe de tempo suficiente na grade escolar para desenvolver a metodologia. A escola tem o poder de influenciar nesse processo”, afirma o especialista.

Roberto Moreno recomendou o site de Harvard para obter um melhor esclarecimento sobre o tema. 

Benefícios das metodologias ativas e o uso de tecnologias digitais

Aliar metodologias ativas e o uso de tecnologias digitais ajuda a desenvolver a criatividade, o pensamento crítico, a capacidade de resolução de problemas, entre outras competências que são úteis ao longo de toda uma vida, em diferentes contextos.

O relatório Growing Up in a Connected World, um estudo da Unicef em parceria com o projeto Global Kids Online, ouviu mais de 14 mil crianças e adolescentes de 9 a 17 anos, entre 2016 e 2018, para entender os hábitos ao usar a internet. A pesquisa foi aplicada em 11 países.

Os dados mostram que 1 a cada 3 crianças têm acesso à internet e utilizam o celular para navegar na web. Em média, esse público passa 2 horas por dia conectado na internet durante a semana, número que dobra aos fins de semana.

Sendo assim, a tecnologia deve ser encarada pela escola como um aliado muito importante no sistema de ensino. 

“Pais e educadores não devem restringir o tempo de uso das crianças ou proibir certas atividades online, mas devem trabalhar para melhorar suas experiências, com foco no que as crianças estão vendo e fazendo”, alerta Roberto Moreno, Director of Supply & Engagement da BYJU’S.

Segundo Moreno, estudos mais recentes demonstram que crianças que são expostas a bons conteúdos no ambiente digital ficam muito mais preparadas para lidar com a tecnologia e com os desafios do futuro.

“Na  BYJU’S FutureSchool, acreditamos na metodologia ativa como o futuro do ensino, pois proporciona que cada um se desenvolva em seu próprio ritmo, e nas disciplinas que têm mais interesse e afinidade”, explica Moreno.

Mais do que nunca, perante a tantas mudanças que aconteceram no mundo ao longo do último ano, as metodologias ativas e o uso das tecnologias digitais vão ser ferramentas valiosas, que podem contribuir para o desenvolvimento dos estudantes nessa nova organização.

Confira também:

Tecnologia como aliada no dia a dia das instituições de ensino

Comentários