2 min de leitura

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) reforçou a importância de manter as aulas presenciais, mesmo diante do cenário que ainda é pandêmico. De acordo com pesquisadores da fundação, devem ser afastados das escolas apenas os alunos que tenha testado positivo e aqueles que são sintomáticos respiratórios.

A nota técnica sobre a manutenção das aulas presenciais foi divulgada na última sexta-feira (24) e corrobora com a portaria divulgada no último dia 21 pela Prefeitura de São Paulo, que determinou a não suspensão das aulas após a confirmação de casos de Covid-19.

Ainda de acordo com a Fiocruz, é necessário a disponibilização de testes para detecção de coronavírus na comunidade escolar e a fundação recomenda priorizar as doses de reforço da vacinação aos trabalhadores da educação.

“Decorrido todo este tempo de convivência com períodos de maior ou menor transmissão do Sars-CoV-2, pode-se afirmar que as atividades presenciais nas escolas não têm sido associadas a eventos de maior transmissão do vírus”, afirmam os pesquisadores.

 

Aulas presenciais não aumentaram disseminação do vírus

 

Segundo o grupo de trabalho da Fiocruz, que analisa a pandemia, “a detecção de casos nas escolas não significa necessariamente que a transmissão ocorreu nas escolas. Em sua maioria os casos são adquiridos nos territórios e levados para o ambiente escolar. Nesse sentido, a experiência atual, comprovada por estudos científicos de relevância, revela disseminação limitada da Covid-19 nas escolas”.

O documento ressalta ainda que “é possível afirmar que a transmissão de trabalhadores para trabalhadores é mais frequente do que a transmissão de alunos para trabalhadores, trabalhadores para alunos ou alunos para alunos”.

Mesmo com o aumento de casos da doença, a nota técnica não recomenda a suspensão das aulas presenciais.

Comentários