7 min de leitura

Você sabia que pais que não se sentem parte da escola têm quatro vezes mais chance de tirar o filho da instituição de ensino?  Essa foi uma das descobertas da pesquisa Diagnóstico Nacional da Educação, iniciativa gratuita realizada pela Escolas Exponenciais para ajudar diretores e mantenedores a avaliarem suas estratégias e verem como vão sair da crise atual: mais fortes ou mais fracos.

Alessandra Torres Santos e Vinicius Mori, consultores do Sucesso do Cliente na ClassApp, fizeram uma lista com dicas preciosas para transformar os desafios do momento em oportunidade para aumentar o engajamento das famílias na volta às aulas presenciais.  

“O engajamento é a estratégia central para minimizar as principais dificuldades que as escolas enfrentam, como a evasão de alunos, a fidelização de clientes e a captação de novos alunos”, diz Alessandra Torres.

Vamos às dicas?

1. Garanta a saúde e segurança de toda a comunidade escolar, focando nas novas normas de convivência social. Alessandra e Vinícius dizem que para que essas normas funcionem, as escolas precisam do engajamento de toda a equipe escolar e que só com muita comunicação vai existir confiança em todas as pessoas. “Segundo o Unicef, fazer um bom monitoramento é essencial, não só da equipe escolar e dos alunos, mas de todas as famílias e pessoas da rede escolar”, diz Vinicius, explicando que a ClassApp criou uma ferramenta que torna esse monitoramento possível de forma automatizada para facilitar o dia a dia das escolas. “O Monitor de Bem-estar vai coletar dados, semanalmente, sobre a saúde das famílias e pessoas próximas e armazená-los em um único lugar. Isso vai fazer toda a diferença, vai passar muita confiança aos pais”, diz Alessandra.

 

Saiba mais sobre o Monitor do Bem-Estar, ferramenta exclusiva para clientes ClassApp

 

2. Realize algum tipo de pesquisa, como o Diagnóstico Nacional de Educação, para entender melhor seus clientes, melhorar o engajamento deles e diminuir o risco de evasão. “Há dois anos o Escolas Exponenciais promove uma pesquisa com mais de 150 mil famílias, para conseguir identificar pontos chaves da vida escolar. Dados do final de 2019 indicaram que 59% dos pais que não se sentiam valorizados e suficientemente informados pretendiam retirar seus filhos da escola. Isso mostra que os pais não mudam seus filhos de escola apenas por motivos financeiros e pedagógicos. A falta de comunicação pode trazer diversos problemas, incluindo a evasão. Isso é bastante lógico porque são os pais que pagam as mensalidades mas não são eles que consomem o conteúdo. Se essa comunicação não for feita de forma clara e eficiente, os pais não têm a percepção de tudo o que está acontecendo na escola, fora do boletim e do que o filho conta para ele”, explica Vinícius. Sua escola pode participar da pesquisa aqui.

 

3. Ouça ativamente seus clientes, sem ser somente por meio de pesquisas externas, mas pelo contato recorrente, feito por meio de enquetes, formulários on-line, telefonemas, Vinicius chama atenção para a grande importância de ouvir os pais neste momento sobre se eles se sentem seguros para mandar seus filhos de volta à escola ou se preferem continuar no ensino a distância. Para o consultor, é fundamental mostrar que a escola quer ouvir e entender os anseios de seus clientes. Ele alerta ainda para a importância de uma ampla gama de respostas, para não cair na armadilha de uma pesquisa parcial. “É muito importante entender o que os pais esperam da escola, para que os gestores possam criar cada vez estratégias mais certas.” Alessandra completa dizendo que é preciso fazer uma escuta empática: “por exemplo, perguntar como os pais estão se sentindo diante dos desafios de ajudar seus filhos a estudar em casa.”

 

4. Adote um aplicativo de comunicação escolar, ferramenta ideal para centralizar as informações e acabar com os ruídos na comunicação. “Se a escola quer escutar melhor seus clientes, não pode ter ruído na comunicação com a família”, diz Vinicius, lembrando da enxurrada de mensagens que recebemos todos os dias via e-mail e Whatsapp e o risco que existe de que algo se perca antes de ser lido. “Mensagens não lidas, pais desinformados… isso diminui muito o engajamento e pode ser sanado com um aplicativo que centraliza a comunicação e possui uma alta taxa de leitura. Isso poupa o trabalho da escola e facilita a vida dos pais, que não vão precisar acessar diversas fontes para ter a informação que precisam.”

Aplicativo escolar: um grande aliado na comunicação entre escolas, pais e alunos durante o ensino remoto emergencial

 

5. Fortaleça os valores da sua instituição de ensino, deixando-os bem claros para toda a comunidade escolar. “Fortaleça a cultura da sua instituição por meio de um trabalho contínuo e diário, lembrando que sua equipe deve refletir esses valores e que esses valores devem estar alinhados aos das famílias. Fortalecer os valores da sua escola faz com que seus clientes se tornem defensores de sua marca”, explica Alessandra.

 

6. Capacite seus colaboradores, para que eles possam ter autonomia. “É preciso que as pessoas tomem decisões por conta própria. Isso aumenta a produtividade de cada colaborador e evita criar gargalos que atrasam muito os processos das escolas quando todas as decisões têm que passar por um filtro”, diz Vinicius.

 

Como a capacitação de professores em tecnologia pode ajudar durante a crise

 

7. Tenha a tecnologia como sua aliada. “A tecnologia veio para facilitar nosso cotidiano, para que os gestores tenham mais tempo para suas estratégias de engajamento”, diz Alessandra, ressaltando a importância de definir com clareza o papel de cada ferramenta digital usada pela escola. “O mundo é muito complexo para caber em um único aplicativo, por isso é importante definir com clareza o papel de cada aplicativo. Prefira usar mais ferramentas com interface simples do que uma única com uma interface muito complexa e que ninguém vai conseguir usar”, ressalta Alessandra, aproveitando para falar sobre a importância de quebrar o paradigma de que idade tem a ver com entender de tecnologia.

 

8. Facilite o acesso dos pais às informações da escola, priorizando um modo centralizado e com mensagens com bom conteúdo textual e visual. “É muito diferente mandar uma comunicação só com texto do que mandar uma que tenha uma foto, uma enquete interativa, … Isso facilita a comunicação e ainda gera mais valor à sua escola,” diz Vinicius. Ele aproveita para falar sobre a importância de personalizar a comunicação, entendendo o que os pais querem, para entregar a eles cada vez mais conteúdos necessários e da melhor forma possível. 

 

9. Conte com a colaboração da comunidade escolar, pois todos querem ver o sucesso da instituição. Uma boa dica para isso é montar comissão de pais e alunos para tratar de assuntos importantes, como a migração do ensino a distância para o ensino híbrido.

 

10. Por fim, a dica bônus: não tente colocar tudo em prática de uma vez só. Crie um mapa de priorização, separando o que é preciso implementar imediatamente, o que pode ficar estacionado e o que vai ser descartado por enquanto. “Por exemplo, se cadastrar para realizar o Diagnóstico Nacional de Educação e usar o Monitor de Bem-estar tem grandes benefícios e são fáceis de implementar,” finaliza Alessandra.

 

Confira também:
Experiências internacionais: educadores e gestores dos Estados Unidos, Portugal e China compartilham suas histórias sobre volta às aulas

Comentários