11 min de leitura

Quando a escola organiza um passeio escolar, a primeira coisa que vem à mente dos alunos é diversão. Já para os pais, o sentimento inicial é de preocupação, afinal, ainda vivenciamos um cenário pandêmico. Já para educadores o que pesa, neste primeiro momento, é a responsabilidade. Afinal, são eles quem responderão pela segurança dos estudantes e pelo bom aproveitamento deles ao longo de toda visita pedagógica. E para que essa experiência seja positiva para toda comunidade escolar é fundamental que a instituição consiga se organizar de forma estruturada. 

Janice Jansen, coordenadora pedagógica do Colégio ABC, localizado em Santo André (SP), conta que desde que teve início a pandemia, a escola não tinha realizado mais nenhuma atividade fora do ambiente escolar. Porém, os alunos começaram a demandar pelas excursões com finalidade educacional e, então, a instituição planejou atender essa demanda em 2022.

“Por conta da pandemia, achamos melhor ir para locais abertos, próximos da escola, onde poderíamos ir a pé e optamos por passeios com um tempo menor de duração. Enviamos um bilhete para os pais, com as informações e cuidados que teríamos com as crianças, e para nossa surpresa, todos os nossos pais autorizaram os passeios. O primeiro passeio foi um piquenique, em uma praça e o segundo na feira livre, para comer pastel”, conta.

Para a bióloga e pedagoga Fabíola Gonçalves e a turismóloga e graduanda em história Raphaela Belmont, proprietárias da Beltur Educação Criativa, para que as instituições de ensino consigam realizar saídas pedagógicas com segurança, durante a pandemia, é preciso investir no planejamento. “O planejamento, organização e execução das saídas demandam muito tempo dos gestores escolares e como eles não estão capacitados tecnicamente para isso, acabam cometendo alguns equívocos”, destacam. 

Com o intuito de ajudar outras escolas a se prepararem para esse tipo de retoma, confira 7 dicas essenciais que vão garantir o sucesso dos próximos passeios escolares da sua instituição de ensino.

Dica 1 – Escolhendo lugares para fazer excursão escolar

De acordo com a bióloga e pedagoga Fabíola Gonçalves e a turismóloga e graduanda em história Raphaela Belmont, proprietárias da Beltur Educação Criativa, para iniciar esse planejamento, o primeiro passo do gestor deve ser refletir sobre o objetivo do passeio e, então, o segmento escolar a ser contemplado. Somente depois disso é que deve escolher o local a ser visitado. 

“A partir desse ponto, o gestor deve pensar a viabilidade do passeio; verificar se os profissionais envolvidos na saída conhecem o local que será visitado e como se dá a dinâmica dessa atividade; providenciar o agendamento prévio do local e as orientações gerais de visitação, como por exemplo se há cobrança de valor de entrada no espaço; definir a programação da atividade; contratar o serviço de transporte; pensar a dinâmica da alimentação do grupo, e muitas outras questões”, afirmam  as profissionais.

As excursões escolares têm potencial para serem atividades transformadoras, que criam memórias que acompanharão os alunos durante toda sua vida. Além também de ser uma das melhores formas de fazer todo conteúdo aprendido em sala sair da abstração, ganhando vida e maior sentido. Por isso, o lugar escolhido pela escola precisa estar relacionado com os conteúdos estudados em sala de aula.

 

Educação 4.0: confira maneiras inovadoras de educar

 

Embora a visita a um zoológico, por exemplo, possa parecer muito mais atrativa do que uma excursão a uma estação de tratamento de esgoto, se o foco da atividade for a consciência ambiental, o zoológico pouco contribuirá para o tema.

Algumas temáticas e lugares que podemos citar de exemplo são:

Escolhendo lugares para fazer excursão escolar

Na opinião de Fabíola e Raphaela, ambientes abertos são as melhores opções no momento, devido ao cenário pandêmico. “Exploramos os museus de território, parques naturais, jardins, fazendas, comunidades quilombolas e caiçaras. Cabe aos gestores e aos professores fazerem o levantamento dos espaços na cidade e acreditar no potencial desses territórios. Em contrapartida, a pandemia nos revelou o distanciamento do entendimento da sociedade em relação aos fazeres da ciência. Nesse sentido, achamos relevante destacar a importância da visitação aos museus e centros de ciências”, ponderam

Dica 2 – Fique atento à atualização dos protocolos sanitários

Algumas capitais e municípios estão flexibilizando o uso de máscaras de proteção. Na cidade do Rio de Janeiro, por exemplo, o equipamento de proteção está liberado em todos os ambientes. Já no Estado de São Paulo, as máscaras deixaram de ser obrigatórias em ambientes abertos.

Na época em que Janice Jansen, coordenadora pedagógica do Colégio ABC, levou os alunos para a feira e ao piquenique, a utilização das máscaras ainda estava em vigor, mesmo ao ar livre.  Então, os estudantes foram com o equipamento e levaram uma extra para trocar. 

“A escola levou álcool líquido e em gel para a higiene. As crianças foram orientadas dos procedimentos e cuidados que deveriam ter para que o passeio pudesse ser realizado com segurança para todos”, pontua. 

Os passeios tiveram duração de duas horas, sendo que cada criança levou seu lanche e sua própria garrafinha de água, evitando compartilhamento dos itens pessoais. 

Neste momento, lembre-se de se informar sobre os protocolos gerais de orientação dados pelos órgãos responsáveis. “A partir disso, uma questão importante é que se caso a saída seja para locais fechados, é imprescindível que o gestor esteja atento às condições de visitação colocadas por cada instituição, como por exemplo o limite de público aceito, tempo de permanência no local e exigência ou não do comprovante de vacinação para acesso ao local. O incentivo de uso de itens pessoais, como squeezes também são bem-vindos”, acrescentam Fabíola e Raphaela, da Beltur Educação Criativa

Dica 3 – Transporte para excursão escolar

Na hora de contratar quem fará o transporte dos alunos, é fundamental que a escola busque empresas que estejam preparadas para atender as demandas específicas de um passeio escolar. 

“Indico consultar a idoneidade da empresa e buscar referências, além de parceiros que estejam dispostos a fazer reuniões presenciais com os alunos e seus responsáveis. Questione sempre fatores como segurança, conectividade e custos extras. Boas empresas, por trabalharem com adolescentes e crianças saberão responder a estes questionamentos de forma objetiva e muito clara. Afinal, esse é um trabalho que exige muita seriedade e responsabilidade”, afirma o diretor de Grupos e Turismo Pedagógico da empresa Via Fly Viagens de Santa Catarina, Lucas Migliato.

Ainda que a contratação de empresas de turismo especializadas ainda não seja comum para muitas escolas, esse tipo de parceria facilita a logística e tira da escola uma série de preocupações. Além disso, os profissionais do turismo têm maior conhecimento das possibilidades oferecidas na hora de indicar locais a serem visitados.

Dica 4 – Roteiro de passeio escolar

Para evitar atrasos e que os alunos percam a oportunidades de aprendizado, é preciso preparar um roteiro completo da excursão escolar. 

Além da definição dos locais e horários de saída e chegada, a dica é elaborar um roteiro específico com a ajuda dos professores das matérias que terão seus conteúdos contemplados no passeio. 

O ideal é que a equipe docente apresente seus objetivos e indique como determinadas atividades da visita pedagógica poderão ser úteis para sua disciplina. Com essas informações em mãos, a coordenação pedagógica da escola poderá montar um roteiro detalhado com os horários de cada atividade e melhor forma de ajudar os alunos a conectar os conteúdos durante o passeio escolar.

Dica 5 – Mandar comunicado de passeio escolar

Antes mesmo de pegar a estrada, os responsáveis pelos alunos precisam receber as informações básicas como data, destino do passeio, roteiro, a forma de transporte e o valor para que autorizem seu filho a participar da excursão. 

Para isso, a escola deve enviar aos pais, com antecedência, uma autorização formal, por meio do principal meio de comunicação. É importante assegurar que esse documento seja fácil de ser armazenado e consultado, assim como que seja o mais seguro possível, evitando quaisquer riscos de fraude ou falsificação.

Neste sentido, os aplicativos de comunicação, como o ClassApp por exemplo, ajudam não apenas a organizar as documentações, como tem sua autenticidade reconhecida juridicamente. 

 

Veja como inovar na comunicação da sua instituição

 

“Em um clique, o pai autoriza seu filho a participar da autorização, por isso, a escola consegue agilizar a lista dos alunos que irão participar. Além disso, um dia antes as famílias são lembradas do compromisso e a todo momento podem tirar dúvidas sobre a excursão, através dos canais de atendimento. Fora que, durante o passeio, por ter a interface mobile, os educadores podem enviar para os pais, em tempo real, imagens, fotos, vídeos e links para que eles possam acompanhar a viagem e ficarem mais tranquilos quanto à segurança e bem estar deles”, explica Thais Sforsin, analista de marketing da ClassApp.

Modelo simples de autorização para excursão:

Autorização para passeio escolar

Eu (nome)________________, RG sob o nº. ______________, CPF sob o nº. ___________. Autorizo (nome da criança)___________, a realizar o passeio com a escola (nome da escola) _______________ no(a) (local) ___________ no dia _____________, com saída às ____h no (ponto de saída) ___________ e retorno dia _____________, às ____h no (ponto de retorno)_____________.  

______________________

(assinatura)

Dica 6 – Solicitar pagamento

O pagamento do passeio escolar costuma ser uma das etapas mais estressantes para os organizadores. Os pais têm suas preferências quanto à forma de pagamento e esperam da escola as mesmas facilidades que encontram quando fazem suas compras pela internet. No entanto, nem sempre essa é a expertise de uma instituição de ensino – o que pode gerar muitas frustrações para ambos os lados.

Já existe no mercado soluções que facilitam a resolução desse desafio.  Uma delas é a Eskolare, uma plataforma digital integrada à realidade da escola e das famílias, que permite que todas as compras de produtos e serviços da escola ocorram de forma segura, transparente e cômoda. 

A Eskolare funciona gratuitamente e possibilita que os pais façam pagamentos via Cartão de crédito, Cartão de débito, Boleto, Transferência bancária ou até mesmo em dinheiro, em qualquer lotérica do Brasil. ” Para os pais há ganhos em comodidade para a realização dos pagamentos e, por parte das escolas, um gerenciamento maior e mais organizado das transações, através do nosso painel de gestão”, conta Erick Moutinho, sócio da Eskolare. 

Além de ajudar na hora de organizar as excursões, a Eskolare funciona como uma plataforma de market place oferecendo em um único lugar material escolar, livros, cursos extracurriculares, passeios e até viagens de intercâmbio e de férias. A solução já é integrada com o ClassApp.

Dica 7 – Lista do que levar em um passeio escolar

No dia anterior ao passeio escolar, os alunos provavelmente vão ficar em dúvida sobre o que devem levar na viagem e irão perguntar aos seus pais.

Uma forma de deixá-los mais seguros, neste sentido, é a escola enviar aos pais no dia anterior um comunicado com as principais informações e uma lista com tudo que eles precisarão levar para o passeio, mesmo que essa informação já tenha sido passada em sala de aula. Afinal, é natural que a ansiedade pela excursão faça os alunos esquecerem de alguns detalhes. 

Se o local exigir o uso de máscara, vale a pena reforçar aos alunos a necessidade de levar o equipamento de proteção e orientá-los quanto ao uso correto, cobrindo nariz e boca.

Essas 7 dicas irão auxiliar você a organizar um passeio escolar de sucesso e ajudar as crianças da sua escola a tirarem os melhores proveitos da atividade.

 

Retorno às aulas presenciais: como tem sido a experiência onde as escolas já reabriram?

*Matéria atualizada em 10/03/2022, às 17:56am

Comentários