Xadrez na escola: como o jogo pode contribuir para o processo de aprendizagem?
Tendências e Métricas

Xadrez na escola: como o jogo pode contribuir para o processo de aprendizagem?

4 min de leitura

Em uma época em que a gamificação vem se mostrando tão importante no processo de aprendizagem, um jogo muito tradicional, que remonta ao século VI, aparece como uma excelente ferramenta para o aluno do século XXI: o xadrez na escola.

“São muitos os benefícios que o xadrez traz ao enxadrista porque trata-se de um exercício cerebral e cognitivo bastante eficiente, que estimula o funcionamento e a extensão da memória e do trabalho neuronal, como a inteligência, a atenção, a memória espaço-visual e o raciocínio”, diz Flavia Antunes, Head de Comunicação e Marketing do Colégio Santo Américo, no Morumbi, zona sul de São Paulo.

A escola, fundada em 1951, tem xadrez como parte de seu currículo desde 2009. “O xadrez desenvolve muitas das competências gerais da Base Nacional Comum Curricular, a BNCC: conhecimento, pensamento científico, crítico e criativo, autonomia, responsabilidade e cidadania são algumas delas”, completa Flavia. 

A importância do xadrez na educação

Especialistas em educação defendem fortemente o uso do xadrez como ferramenta pedagógica.

No Colégio Santo Américo, o jogo faz parte da grade curricular do primeiro ao quinto ano do Ensino Fundamental e também como matéria eletiva até o nono ano. A Head de Marketing e Comunicação da escola conta que a instituição possui a melhor sala para ensino de xadrez do estado de São Paulo. Toda equipada para a prática do jogo, ela conta com um tabuleiro gigante no centro da sala, onde os alunos aprendem movimentos e táticas do jogo.

Confira também:

Xadrez na escola: jogo desenvolve competências e habilidades da BNCC

No formato remoto, o Santo Américo disponibiliza aulas gravadas e postadas em sua plataforma de ensino, utilizando o programa de xadrez Chessbase. Também existem aulas ao vivo via Zoom, em que se utiliza o Chessbase e a plataforma Lichess.

“Jean Piaget, nos anos 60, já defendia o ensino de xadrez para crianças a partir dos 6, 7 anos de idade”, diz Flavia Antunes.

O carioca Henrique Krepel, aluno de uma escola particular no Rio de Janeiro, fez aulas particulares de xadrez desde os 6 anos, por recomendação do pai. “O xadrez me ajudou bastante a me concentrar melhor, a raciocinar mais rapidamente e a aprender a competir. Eu recomendo muito que outras crianças e adolescentes façam xadrez, pois além de te ajudar muito, é super interessante,” diz Henrique.

Flavia Antunes completa o depoimento de Henrique lembrando que os alunos ficam tão empolgados com o conhecimento e prática do xadrez que se tornam multiplicadores do jogo: “Os alunos aprendem o jogo na escola e acabam ensinando seus pais em casa, tornando a prática ainda mais significativa.”

Os benefícios do xadrez na escola

Listamos aqui 10 benefícios do xadrez no processo de aprendizagem de crianças e adolescentes.

  1. Estimula o raciocínio lógico-matemático
  2. Aumenta a concentração
  3. Desenvolve a paciência em um mundo permeado por tanta tecnologia em que tudo acontece de forma tão veloz 
  4. Exercita a mente e estimula a criatividade 
  5. Ajuda o aluno a lidar com derrotas e ainda assim manter um ambiente cordial
  6. Aumenta o rendimento escolar em outras disciplinas, com maior concentração e capacidade de raciocínio 
  7. Desenvolve a memória
  8. Ajuda o aluno a desenvolver técnicas de planejamento e a antevisão 
  9. Ajuda na tomada de decisões em situações que exigem raciocínio rápido
  10. Estimula o autocontrole

</b><b>Um pouco sobre a história do xadrez</b><b>

Não se sabe a origem exata do xadrez, mas existem registros do jogo no século VI, na Índia, com o nome de Shaturanga, que em sânscrito significa “os quatro elementos de um exército”. Depois disso, há registros do jogo na China e na antiga Pérsia (o nome persa Shah significa rei). Hoje, o xadrez é um dos jogos mais populares do mundo. Jogo ou esporte?

“A melhor frase sobre o que é o xadrez vem do ex-campeão mundial Anatoly Karpov: “O xadrez é jogo, é esporte, é arte e é ciência”. Como jogo de tabuleiro, o xadrez está classificado como esporte da mente. É organizado em federações, olimpíadas e campeonatos. É o segundo esporte mundial em quantidade de federações, só perde para o futebol”, diz Flavia Antunes.

O enxadrismo foi reconhecido como esporte pelo Comitê Olímpico Internacional em 2001 e existem diversos eventos internacionais que reúnem os melhores enxadristas do mundo. O atual campeão mundial é o norueguês Magnus Carlsen, nascido em 1990, e campeão desde 2013. Vale destacar que Magnus se tornou a pessoa mais jovem a assumir o topo do ranking mundial, aos 19 anos, em 2010.

Confira também:

O poder das artes em inspirar mudanças sociais

Comentários