5 min de leitura

Muito especula-se sobre o “novo normal”, ou seja, sobre como será o mundo em um cenário pós-pandemia. Mas, qualquer tentativa de prever o futuro é tão incerta quanto o momento que estamos vivendo agora. Porém, das poucas coisas que podemos afirmar que serão diferentes daqui em diante é que, as escolas que conhecíamos ano passado, já não são mais as mesmas em 2020 e estarão ainda mais diferentes em 2021. 

“O fato é que está todo mundo nesse barco, está todo mundo nessa história, nesse grande experimento, nessa grande bagunça chamada 2020”, diz Arthur Igreja, palestrante e co-fundador da plataforma AAA. Embora, à primeira vista, essa frase soe com um forte tom de desalento, Arthur  faz questão de lembrar também o quanto esse ano tem impulsionado mudanças que, apesar de todo o caos, tem dado novas oportunidades para inovação em todos os ramos de negócios. “A gente vai tentar extrair lições desse momento, a gente vai descobrir que talvez 2020 era exatamente o que a gente precisava […] para fazer as coisas diferentes”.

Para Arthur, as escolas que já acompanhavam as tendências digitais, discutiam o ensino híbrido e mantinham uma boa comunicação com os pais são as instituições que, de fato, souberam transformar a crise em oportunidade e, por isso, estão no “primeiro pelotão”, como ele descreve.

 

Confira 10 dicas para revolucionar os ambientes de aprendizagem

 

No segundo pelotão, contextualiza, se encontram os stakeholders do sistema escolar. Nesse quadro encontram-se também gestores e professores que foram dos profissionais mais desafiados neste processo, tendo em vista que precisaram repensar suas práticas pedagógicas em um espaço de tempo bem pequeno. Em contrapartida, eles tiveram a oportunidade de se aprimorarem e desenvolverem novas habilidades tecnológicas.

Para descrever o terceiro grupo, o palestrante faz uma alusão ao poeta Fernando Pessoa, que disse: “O homem é um cadáver adiado”. Para ele, estão neste grupo as escolas, e demais tipos de negócios, que estavam totalmente desconectadas do mundo digital, não souberam se reinventar e, consequentemente, estão mais susceptíveis a não sobreviverem pós pandemia. 

 

Quebra de paradigmas

Um dos maiores desafios impostos pela pandemia à educação foi, e ainda é, o ensino-aprendizado mediado pela tecnologia. Contudo, isso oportunizou uma mudança na relação entre professores e alunos, de modo que enfraqueceu um modelo de educação tradicional: o professor como detentor de todo conhecimento.

Essa é uma narrativa que não cabe mais no contexto da Educação 4.0. Como explica Arthur, o modelo de ensino online quebra a estrutura de poder na sala de aula e o estudante, antes tímido e com vergonha de tirar dúvidas, agora vê o professor como mais um “nick” de uma sala de bate-papo.

Ele, que também é professor, afirma que essa postura tradicional é assustadora, principalmente para uma criança: “O professor está em um tablado mais alto, ele é maior fisicamente, cria essa associação, a gente esquece disso. Mas quando você é criança parece que todo mundo é gigante, todo mundo parece meio assustador, você quebra isso”, comenta.

Uma das grandes preocupações dos gestores e professores era como levar os alunos para o digital, explicar como funciona essa dinâmica de estudar online. Mas acontece que os alunos já estavam lá. Esta é uma geração digital! Então, talvez quem mais precisou se adaptar ao ambiente digital foram eles, professores e gestores.

 

Veja como a capacitação de professores em tecnologia pode ajudar durante a crise

 

Novos caminhos

O relacionamento entre a escola e os pais também passou por mudanças. Afinal, com as crianças em casa, os pais tornam-se mais ativos no processo de ensino-aprendizado.

“Não vai ser simplesmente “viu, me entrega um gênio, me entrega uma pessoa que vai dar certo na vida, eu estou te pagando”, porque alguns pais encaram a escola como um processo industrial, pago na entrada e coleto um produto na saída”, explica Arthur.

Essa nova relação deve ser baseada, principalmente, na cooperação entre as duas parte. Cabe à escola também ouvir aos pais, entender os dilemas que eles têm em casa, entender as restrições e as dificuldades.

Para finalizar, o co-fundador da AAA e especialista em tecnologia e informação, ressalta que o ensino ensino presencial e os métodos utilizados pouco se modernizaram. Com isso, nos acostumamos com um único caminho, mas agora é o momento oportuno de explorar outros.

“A gente faz o mesmo trajeto, e 2020 tem que ser uma hora de explorar uma segunda estrada […] mas mesmo com vacina, nós não sairemos iguais a como nós éramos em 2019, justamente por ter passado por esse processo de mudança, e se tem uma coisa boa a respeito de processos de mudança, é que elas se aceleram nos momentos de restrição”.

 

Leia também:
Educação pós-pandemia: como preparar sua escola para a volta às aulas

Comentários